Sociedade

Luta por direitos e contra a violência no dia da mulher

Conjunto de ações decorreram ontem de Norte a Sul do país.

O Dia Internacional da Mulher em Portugal ficou ontem marcado por um conjunto de ações de protesto que se realizaram em cidades como Amarante, Aveiro, Braga, Coimbra, Évora, Faro, Lisboa, Porto, Viseu e Vila Real e Ponta Delgada.

Estas manifestações foram convocadas  – pelo segundo ano consecutivo – pela Rede 8 de Março, que reúne coletivos, associações, organizações políticas, sindicatos e cidadãos em nome individual, que saiu à rua para reivindicar medidas contra a desigualdade e violência de género.

Em Lisboa, a iniciativa contou com a participação de centenas de pessoas, entre as quais representantes da classe política, como Catarina Martins, coordenadora do Bloco de Esquerda, e Inês de Sousa Real, líder parlamentar do PAN.

Também na capital, realizou-se uma manifestação organizada pelo Movimento Democrático de Mulheres, que teve como lema “A Força da Unidade em defesa dos direitos das mulheres e pela paz no mundo”, e realizou-se num percurso que ligou os Restauradores e a Ribeira das Naus. Nesta iniciativa estiveram presentes Isabel Camarinha, recém empossada secretária-geral da CGTP-IN, e Jerónimo de Sousa, líder do PCP.

Como forma de celebrar o contributo das mulheres no universo da ciência, o Pavilhão Conhecimento, em Lisboa, recebeu o evento “Construtoras de Futuros”, que teve como objetivo homenagear gerações antigas e inspirar as mais jovens para percursos académicos e profissionais nestas áreas. A iniciativa contou com as presenças da ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, e do ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor.