Sociedade

DGS desmente áudio viral de alegada médica que confirma duas mortes pelo Covid-19

A DGS assegura que até às 16h00 de quinta-feira "não houve qualquer morte causada pelo novo coronavírus e que estão confirmados 78 casos e 4923 estão em vigilância.

Depois de um áudio do WhatsApp de uma alegada médica, a indicar que duas pessoas já morreram infetadas pelo Covid-19 em Portugal, ter chegado a milhares de portugueses, a Direção-Geral da Saúde abordou o assunto, esta quinta-feira, dizendo que as afirmações são falsas.

"Corre viralmente nas redes sociais um relato de uma suposta médica a garantir que morreu o primeiro português infetado pelo Covid-19. Segundo a profissional, tratava-se de um homem de 60 anos internado no Curry Cabral. A informação está a ser veiculada através de um áudio de Whatsapp e já chegou a milhares de portugueses", alerta a DGS, através de um comunicado no site oficial. 

"A informação não está a passar da maneira mais realista. Nós, médicos e profissionais de saúde, temos informação privilegiada no sentido em que falamos uns com os outros e vamos tendo noção do que é que se está a passar nos hospitais. Desde ontem à tarde é que nos estamos a aperceber da dimensão disto", ouve-se na referida mensagem. 

"Hoje já morreu um senhor no Curry Cabral, que estava na CUF mas foi transferido, tinha 60 anos e o único fator de risco era o facto de fumar. É a primeira morte que temos de um português, sendo que ontem à noite morreu um senhor na zona da Margem Sul. Era um italiano que cá estava, com 64 anos. A equipa do INEM que o entubou está toda de quarentena", continua a alegada médica. 

A DGS assegura que até às 16h00 de quinta-feira "não houve qualquer morte causada pelo novo coronavírus e que estão confirmados 78 casos e 4923 estão em vigilância.