Sociedade

Alimentação pode ajudar a lidar com surto de covid-19? DGS faz recomendações

Autoridade de saúde criou um manual com várias recomendações sobre alimentos e compras.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) lançou, esta sexta-feira, um guia com várias diretrizes sobre o consumo, o planeamento e a compra de alimentos.

“Alguns gestos simples fazem a diferença na protecção contra a COVID19. Saiba mais sobre alimentação no "Manual de Orientações na área da alimentação sobre COVID19", lê-se na publicação do Facebook a promover as novas orientações.

O manual, faz questão de esclarecer que não existe transmissão através dos alimentos, além de dar orientações sugere seis passos para uma alimentação saudável durante o surto de covid-19.

"Não vamos ficar fechados em casa, portanto não temos de ter uma preocupação acrescida em fazer a compra de muitos alimentos e açambarcar, mas temos de modificar o nosso comportamento na compra", afirma, citada pela agência Lusa, Maria João Gregório, diretora do Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável da DGS.

"No momento da compra, devemos assegurar e ter em consideração algumas medidas de segurança, nomeadamente, etiqueta respiratória, cumprir as distâncias de segurança e evitar o manuseamento excessivo de alimentos. É isso que reforçamos neste manual", frisa.

Uma das sugestões passa pela escolha de produtos e alimentos com um prazo de validade mais longo e a compra de produtos frescos.

A DGS propõe ainda o 'kit' para alimentação de 15 dias, quais os produtos e em que quantidade, seguindo as orientações da roda dos alimentos e a quantidade é deixada à consideração da população, uma vez que depende da "capacidade de armazenamento" de cada família.

No manual contam também os "seis passos para uma alimentação saudável", sublinhando a importância de se "manter as rotinas e os horários das refeições".

A autoridade de saúde promove este guia, defendendo que a alimentação pode reforçar o sistema imunitário.

Consulte aqui