Economia

Portos do continente movimentam 7,5 milhões de toneladas de carga

Dados são relativos a Janeiro desde ano, mês que assistiu a uma quebra de 9,7% no volume total de carga movimentada.

Os portos do continente registaram em janeiro deste ano um volume total de carga de 7,5 milhões de toneladas, um valor que significa uma quebra de 9,7% face a janeiro do ano passado e que reflete, em volume, menos 804 mil toneladas.

A Autoridade da Mobilidade e dos Transportes explica que “estas quebras são explicadas maioritariamente pela carga contentorizada e o carvão em Sines e os produtos agrícolas em Lisboa e em Aveiro, que, no conjunto, refletem um decréscimo de cerca de 1,23 milhões de toneladas, correspondente a 79,8% do total das quebras observadas nos vários mercados”.

Já o petróleo bruto e os produtos petrolíferos, em Sines e em Leixões, e ainda nos outros granéis sólidos, em Aveiro, foram responsáveis por acréscimos de cerca de 590,7 mil toneladas no seu conjunto.

Considerando o comportamento dos portos em termos globais, independentemente do tipo de carga movimentada, “são de assinalar variações negativas em Setúbal (-18%), Lisboa e Sines (ambos com -17%), com quebras respetivas de -94,8 mt, -164,7 mt e -762,4 mt, a que, com menor expressão, ainda se junta Aveiro. Leixões, Figueira da Foz, Faro e Viana do Castelo são os portos que registam variações positivas”.

A AMT avança ainda que o volume global de carga movimentada em Janeiro nos diversos portos dá liderança ao porto de Sines, com uma quota de 50,5% do total de carga movimentada, inferior em -4,3 pontos percentuais ao que detinha no mês homólogo de 2019. Leixões ocupa a segunda posição (com 24%), seguindo-se Lisboa (10,6%), Aveiro (6,4%), Setúbal (5,9%) e Figueira da Foz (com 2,2%).