Tecnologia

Houseparty oferece 900 mil euros a quem souber como começou a "campanha de difamação" contra a aplicação

A empresa ja veio a público desmentir estas aplicações e garantir que a aplicação é segura. 

O dono da aplicação Houseparty, que começou a ser muito utilizada para manter o contacto com amigos e familiares durante a quarentena para impedir a propagação da covid-19, está a oferecer um milhão de dólares (cerca de 906 mil euros) a quem provar como é que começaram os rumores sobre a aplicação estar a ser pirateada e os dados bancários dos utilizadores roubados, algo que a empresa afirma serem apenas rumores. 

“Estamos a investigar indicações de que os recentes rumores sobre hackers foram espalhados por uma campanha comercial de difamação paga para prejudicar a Houseparty. Estamos a oferecer uma recompensa de 1.000.000 de dólares para a primeira pessoa que forneça prova dessa campanha para bounty@houseparty.com” pode ler-se numa publicação da aplicação no Twitter.

Através do Twitter e do WhatsApp, vários internautas denunciaram, esta segunda-feira, através das redes sociais, que foram pirateados, que as suas contas bancárias foram hackeadas e que os seus códigos da Netflix foram roubados. 

Um mulher chegou mesmo a partilhar duas imagens nas quais uma alegada utilizadora da aplicação afirma ter a conta de Spotify comprometida e mostra um email de verificação da Microsoft que terá recebido. “A todas as pessoas que têm a app Houseparty: Há pessoas a ser roubadas, entram nas contas bancárias delas através da app do banco, entram nas outras contas que tiverem, inclusive entram no telemóvel através da app. Apaguem a conta e apaguem a app!”.

A empresa ja veio a público desmentir estas aplicações e garantir que a aplicação é segura. “Todas as contas da Houseparty são seguras — o serviço é seguro, nunca foi comprometido e não recolhe palavras-passe para outros sites”, pode ler-se na conta oficial de Twitter da aplicação.