Hoje Escrevo Eu

Ai os direitos humanos...

Enquanto aguardava pelo novo voo, ter-se-á sentido indisposto, foi transportado ao hospital sob escolta e, depois de assistido, reconduzido ao aeroporto, ficando na enfermaria do Centro de Instalação Temporária – onde, após ter provocado distúrbios, foi agredido com bastão extensível por três inspetores do SEF.

A morte de um cidadão ucraniano no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, às mãos de três inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) é um caso gravíssimo de violação dos direitos humanos num país europeu cuja Constituição consagra o estado de direito democrático e a intransigente defesa dos direitos, liberdades e garantias.
É um ato bárbaro! Que culminou com uma tentativa de omissão da causa da morte do cidadão estrangeiro, comunicada pelo SEF à embaixada do respetivo país de origem como tendo sido provocada por «problemas epiléticos».

Apuradas as verdadeiras circunstâncias da morte, veio a público que o cidadão gerou suspeitas aos inspetores do SEF e foi impedido de passar a fronteira, tendo-lhe sido ordenado o embarque no avião seguinte de regresso ao país de proveniência (a Turquia); enquanto aguardava pelo novo voo, ter-se-á sentido indisposto, foi transportado ao hospital sob escolta e, depois de assistido, reconduzido ao aeroporto, ficando na enfermaria do Centro de Instalação Temporária – onde, após ter provocado distúrbios, foi agredido com bastão extensível por três inspetores do SEF, vindo a ser encontrado, por outros inspetores do serviço, já cadáver e com as mãos e os pés atados (relata o JN que em posição impeditiva de qualquer ser humano respirar).

Leia o artigo na íntegra na edição impressa do jornal SOL. Já pode receber o SOL em sua casa. Saiba como aqui.