Desporto

Coates: "Se surgir a possibilidade de ir para outro clube que seja para melhor"

Central não fecha a porta a uma possível saída do Sporting no final da temporada

 

Em entrevista a uma rádio uruguaia, Sebástian Coates assumiu, esta terça-feira, que vê a saída do Sporting como possibilidade no final da temporada.

"No plano pessoal, sinto-me muito bem. Jogo sempre desde que cheguei. Portugal é muito parecido com o Uruguai, as pessoas são muito calorosas e o clima também. O futebol é muito bom por nos dar a possibilidade de conhecer vários sítios, de percorrer várias cidades, mas se surgir a opção de ir para o outro clube que seja para melhor", afirmou em declarações ao programa 'Locos x el Fútbol'.

Apontado nos últimos dias à Lazio, o capitão leonino abordou o assunto, garantindo que até hoje não foi contactado.

"Creio que muitas vezes saem notícias na imprensa que nós nem sabemos, mas nem o clube nem o meu representante falaram comigo. Pode até ser verdade, há sempre muita coisa atrás dos jogadores. Mas os jogadores são os últimos a serem informados", atirou.

Durante a conversa, o central uruguaio, que cumpre a sua quinta época ao serviço do clube de Alvalade, falou também das exigências do futebol europeu.

Entre as revelações, Coates destacou as multas aplicadas no emblema verde-e-branco para quem apresentar... excesso de peso.

Coates revelou que os jogadores do conjunto leonino são pesados todos os dias e que em caso de excesso de peso... há multas. 

"Sempre que vou ao Uruguai e volto com um par de quilos, por causa dos assados e dos biscoitos... Quando estás na Europa tens de dedicar a 100% para estar bem em cada jogo. Ao estares sozinho cuidas mais de ti e tens sempre a exigência do clube de te pesa todos os dias. Se ultrapassas o peso limite tens cinco dias para perdê-los ou caso contrário começa a pagar multas de um mínimo de 50 euros", confidenciou.

"Há também um leitor de entradas e saídas nos treinos e também há multas se chegas atrasado. Se faltas a um treino sem avisar, tens uma multa de 500 euros", rematou.