Desporto

Sporting diz que "vai cumprir com todas responsabilidades" no caso Rúben Amorim

Salgado Zenha rejeita aplicar a palavra dívida após leões terem falhado pagamento da primeira prestação ao SC Braga relativa à contratação do treinador

Francisco Salgado Zenha, administrador da SAD do Sporting responsável pela área financeira, diz que é “ridículo” falar de atrasos nos pagamentos a fornecedores no contexto atual.

As declarações do dirigente leonino surgem um dia depois de se ficar a saber que os leões falharam o pagamento da primeira prestação ao SC Braga relativa à contratação de Rúben Amorim. O clube vai “cumprir com todas as suas responsabilidades”, garantiu.

"Estamos a passar por uma situação nunca antes vista. É absolutamente ridículo falarmos de atrasos no pagamento a fornecedores no contexto atual. Ou não se percebe qual é a situação ou não se sabe gerir uma empresa em condições", afirmou, em declarações à Sport TV.

"O Sporting não falhou nenhum pagamento relevante, relativo a acordos com determinada importância, antes do estado de emergência. O Sporting pretende cumprir com as suas responsabilidades, estamos é a fazer uma gestão racional e cuidada. O que surgiu depois da crise alterou a nossa postura. Tudo o que foi antes deste cenário, cumprimos. Se houve alteração do pagamento, foi por alteração do contexto, mas vamos cumprir com as nossas responsabilidades. Está previsto na lei alterações de circunstâncias fundamentadas por alterações anormais de contexto e não existe alteração mais anormal do que esta", acrescentou.

"O Sporting está a tentar criar uma almofada e condições para ultrapassar este momento, adotando medidas difíceis, para mitigar ao máximo o impacto desta crise", rematou, lembrando que os tempos pós pandemia vão continuar a ser extremamente difíceis.

O emblema de Alvalade falhou o pagamento da primeira prestação ao SC Braga relativa à contratação de Rúben Amorim.

Em causa estão 5 milhões de euros, mais juros, valor que devia ter sido liquidado até ao último dia 6 de março. 

Recorde-se que Frederico Varandas bateu a cláusula de rescisão que o Sporting de Braga tinha colocado no contrato de Rúben Amorim quando o antigo jogador do Benfica assumiu o comando técnico do clube: 10 milhões de euros (mais IVA).