Sociedade

Bebé infetada com covid-19 aos 28 dias vai ter alta este domingo

Bebé nasceu no Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho (CHVNGE) e acabou por ir para casa. Mas passado alguns dias, no dia 9 de março, deu entrada no hospital com sintomas de febre.

A bebé, que aos 28 dias testou positivo para a covid-19 e que estava internada no Hospital de Gaia, fez o segundo teste de despiste do novo coronavírus com resultado negativo e vai ter alta este domingo, revelou fonte oficial daquela unidade de saúde à agência Lusa.

Recorde-se que a bebé nasceu no Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho (CHVNGE) e acabou por ir para casa. Mas passado alguns dias, no dia 9 de março, deu entrada no hospital com sintomas de febre. Quando realizou o teste de despiste à covid-19 deu positivo.

A CHVNGE criou uma área no serviço de neonatologia reservada a casos positivos de covid-19, um espaço que conta com quatro incubadoras, e uma área no serviço de pediatria para instalar todos os casos suspeitos, segundo declarações do médico da unidade António Vinhas à Lusa. 

A unidade hospitalar está também a testar para a covid-19 todas as grávidas antes do parto e apenas as do serviço de pediatria pernoitam no hospital. "As mães da pediatria ficam junto dos bebés, mas ao nível da unidade de neonatologia não achámos que fosse benéfico para as mães passarem lá 24 horas sentadas num cadeirão. Não seria lógico", explicou o médico

Nesse sentido, as mães dos recém-nascidos internados na unidade de neonatologia vão poder ficar numa unidade hoteleira próxima do hospital, o Hotel das Mamãs, com o intuito de não separar os recém-nascidos que necessitem de ficar internados das suas mães. 

Esta iniciativa garante o alojamento das mães e o hotel irá assegurar todas refeições das mulheres. Além disso, estas serão monitorizadas regularmente para que o bebé não tenha de ficar totalmente isolado e possa continuar a estar com a mãe. Para que esta iniciativa corra da melhor forma, as mães devem cumprir todas as normas da DGS durante este período, seja no hospital ou no hotel e estão proibidas de frequentar espaços públicos de modo a garantir a proteção do bebé. 

"Neste momento, só entram as mães. Os pais inicialmente estavam restringidos a uma vez por semana, mas, nesta fase de mitigação, o risco começa a ser grande e temos de proteger ao máximo os nossos recém-nascidos. O que vamos tentar agora é, com as mães, fazer videochamadas. Não é a mesma coisa, mas vamos tentar minimizar as saudades. Nós também nos estamos a adaptar", explicou António Vinhas. 

 Apenas os recém-nascidos que precisam de "cuidados médicos e de enfermagem" é que se encontram na unidade, de acordo com o médico da unidade hospitalar. Os restantes são monitorizados diariamente pelos profissionais que estão em teletrabalho.