À Esquerda e à Direita

A selvajaria de querer exterminar uma geração

Como irão as pessoas iniciar novas relações? Exigirão um certificado de imunidade?

Os efeitos do novo coronavírus vão muito além das mortes e infeções causadas, assim como o furacão que irá provocar na economia mundial – onde, como é óbvio, os mais pobres serão os mais castigados. Mas quantas pessoas não vão terminar a sua carreira profissional no meio desta pandemia?

Quantos médicos e funcionários públicos irão entrar na reforma, sem voltarem a exercer a sua profissão? Será que o setor privado vai querer contratar profissionais que em caso de futuras pandemias terão de ir obrigatoriamente para casa? E os professores, não vão ficar na mesma situação?

E quantos futebolistas, por exemplo, não arrumarão as botas pela porta dos fundos? Para alguém que ande na casa dos 30 e muitos, já a beijar os 40, uma paragem forçada como esta não é a mesma coisa do que para um miúdo de 20. Se há países que não querem retomar os campeonatos, muitos dos veteranos não terão oportunidade de fazer a sua despedida com dignidade.

Leia o artigo na íntegra na edição impressa do SOL. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.