Cultura

Édith Piaf. A face negra da vida em rosa

Nascida na rua, desprezada pelos pais; alimentada por uma avó com vinho tinto no biberão; infância passada na casa de putas de outra avó; suspeita de assassínio do seu primeiro empresário; amores desperdiçados; acusada de colaboracionismo com os nazis; ferida brutalmente pela morte do homem da sua vida, o pugilista Cerdan, num acidente nos Açores.

 

Édith conheceu Marcel em 1947, e não haverá forma muito mais simples do que esta para descrever o início de uma história de amor. Ela era seis meses mais velha do que ele e formavam um daqueles casais que Paris dessa época não deixava passar despercebido. 

Leia o artigo na íntegra na edição impressa do SOL. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.