Conta-me como vai ser...

A prioridade agora é vencer a pandemia

Acreditemos que, pouco a pouco, com passos certos e muito bom senso, voltaremos um dia a poder dar os abraços que nos faltam...

Ensina-nos a História que adivinhar o futuro pode muito bem acabar por correr mal. No entanto, estas últimas longas e insólitas semanas têm gerado fontes inesgotáveis de criatividade, onde ‘muitas e desvairadas gentes’ em salutares provas de vida se vêm manifestando com as mais variadas reflexões, julgamentos e programas, sempre mais ou menos interessantes. Faço parte de uma geração que noutros tempos acreditou nas auroras dos ‘amanhãs que cantam’, mas entre ilusões e desilusões acabei por ficar apenas colado definitivamente à ideia de Liberdade, lato sensu, associada a bons genes republicanos. Talvez por isso mesmo sinta sempre o maior receio, neste tempo de angústia, privação e incerteza, em querer contribuir para adubar ainda mais um terreno fértil para profecias e profetas insuflados de ideias redentoras. Sem certezas nenhumas e sem saber ‘como vai ser’, limito-me a pensar ao correr da pena e sem qualquer pretensão luminosa. A prioridade agora é, AINDA É, com toda a firmeza, vencer a batalha da pandemia.

Vivemos sob a ditadura dos algoritmos, necessariamente, e não há nada a fazer, é a lei da sobrevivência. À presente data, no quadro da pandemia persiste o dito ‘planalto’ estatístico, o que terá levado a opinião legitimada a assumir algum prudente otimismo, e vai dando azo a que se vá conjeturando o chamado ‘regresso à normalidade’. Mas saibamos de antemão que a ‘normalidade’ conhecida não será fiável amanhã, porque nos iremos confrontar com um tabuleiro de xadrez de diferentes variáveis. Ou seja, é altamente provável que nos deparemos com um tempo e com um modo diferentes, nesse caminho que ainda escapa na vida das pessoas e na vida das organizações.
 
Enfim, uma coisa é certa:  Aquilo que no final do confinamento mudar dentro de cada um de nós, individualmente, será exatamente aquilo que depois, havendo expressão social, entrará na vida e nas relações, na sociedade e na economia. Ou não. Há sinais muito interessantes neste caos introspetivo prolongado, como o céu ter ficado mais límpido, a paisagem mais recortada, a terra e o mar mais férteis, o planeta mais oxigenado. Haverá por isso outros modelos de desenvolvimento a ponderar. Ou não. No mundo do trabalho, a automação, a experiência do teletrabalho e do digital merecem uma nova atenção. Ou não.

Por outro lado, dou por mim a dar um valor inaudito a gestos tão simples como um abraço. Somem-lhe o valor que damos ao outro, aos nossos, aos amigos, a quem queremos e desejamos rever. E depois, socialmente, a importância que damos àquilo que para além dos livros junta de facto as pessoas, na emoção e na partilha, um espetáculo ou uma exposição – a Cultura, sim, é o veículo privilegiado de paz entre geografias e poderes desavindos. Entender estes e outros sinais será necessário no quadro de um regresso a uma ‘normalidade’ diferente. Ou não. Mas acreditemos, sim, pelo menos que pouco a pouco, com passos certos e muito bom senso, voltaremos um dia a poder dar os abraços que nos faltam.

Elísio Summavielle Presidente do Centro Cultural de Belém