Economia

BCE. PIB recua na zona euro entre 5 a 20% em 2020

Christine Lagarde alertou esta quinta-feira que a degradação da economia deve ter "um efeito negativo" na inflação "durante os próximos meses".

O Banco Central Europeu (BCE) prevê que a economia da zona euro possa recuar entre "5 e 12%" este ano, reflexo da "grande incerteza" quanto ao impacto económico da pandemia de covid-19, afirmou esta quinta-feira Christine Lagarde.

Após a reunião de política monetária, a presidente do BCE afirmou, numa videoconferência de imprensa, que a economia da zona euro enfrenta "uma contração com uma magnitude e velocidade sem precedentes em tempos de paz".

A esta violenta recessão deve seguir-se uma recuperação, se as medidas de confinamento adotadas para travar a pandemia forem progressivamente levantadas, mas há ainda bastantes incertezas, acrescentou Lagarde.

No primeiro trimestre, o Produto Interno Bruto (PIB) da zona euro registou um recuo de 3,8%, de acordo com os dados do Eurostat divulgados esta quinta-feira.

"Dada a grande incerteza em torno do impacto económico [da pandemia], os cenários de crescimento do BCE sugerem que o PIB poderá cair de 5% a 12% este ano", explicou.

"A queda da atividade económica em abril sugere que o impacto será provavelmente mais severo no segundo trimestre", apontou Lagarde.

O crescimento deve normalizar nos anos seguintes, indicou, acrescentando, no entanto, que "a dimensão da retoma" depende da duração das medidas restritivas e do "sucesso das políticas destinadas a limitar o impacto nos rendimentos e no emprego".

Lagarde disse ainda que a degradação da economia deve ter "um efeito negativo" na inflação "durante os próximos meses".

O BCE decidiu esta quinta-feira deixar as taxas de juro inalteradas, mas flexibilizou as condições de empréstimo aos bancos e afirmou-se disponível para aumentar o volume das compras de dívida.