Internacional

Diretor do laboratório de Wuhan garante que foram tomadas medidas para "garantir que nenhum vírus pudesse sair"

O Instituto de Virologia P4, de Wuhan, foi lançado após a epidemia da SARS entre 2002 e 2003.


Face às acusações de que o novo coronavírus foi criado em laboratório, o diretor do Instituto de Virologia P4, de Wuhan, voltou a negar essa possibilidade, garantindo que as instalações são seguras.

Numa entrevista ao jornal oficial Science and Technology Daily, o diretor Yuan Zhiming disse foram tomadas várias medidas para "garantir que nenhum vírus pudesse sair do laboratório", que se localizada na cidade onde teve origem a pandemia.

O responsável assegurou ainda que as entradas e saídas, bem como o uso de resíduos e materiais infecciosos, obedecem a "altos critérios" e realçou que o uso de sistemas de pressão negativa levam a que o ar interno da sala não possa sair e espalhar agentes contagiosos. Yuan Zhiming diz ainda que o ar e a água no interior e os resíduos que podem estar contaminados são tratados com sistemas de alta pressão e temperatura e, sempre que é necessário, são geridos por empresas que tratam resíduos médicos. Todos os anos são realizadas inspeções ao estado da instalações, bem como à condição física e psicológica dos investigadores.

O Instituto em causa foi lançado com o apoio de França após a epidemia da SARS entre 2002 e 2003 e possui um laboratório de nível quatro, o mais alto em termos de biossegurança, que permite conduzir pesquisas com patógenos perigosos, como o é o caso do vírus Ebola.