Economia

Centeno admite “falha de comunicação” com Costa sobre Novo Banco

Ministro sublinha, no entanto, que não houve qualquer “falha financeira ou incumprimento”.

O ministro das Finanças, Mário Centeno, admitiu, em entrevista à TSF esta terça-feira, que houve uma “falha de comunicação” com o primeiro-ministro em relação ao Novo Banco, que recebeu mais de mil milhões de euros do Fundo de Resolução na semana passada, dos quais 850 milhões de euros dos cofres públicos.

O empréstimo à instituição bancária foi feito sem que o primeiro-ministro tivesse sido informado, pelo que António Costa acabou por dar informação errada no debate quinzenal no Parlamento.

Recorde-se que o chefe de Governo garantiu que o Estado não daria mais dinheiro ao Novo Banco sem que se conhecessem os resultados da auditoria realizada ao banco. Pouco depois, foi noticiado a injeção de 850 milhões de euros e Costa adiantou que não sabia da operação e pediu desculpa pela informação incorreta.

Agora, Centeno reconhece a falha. “Podemos admitir – e terá havido um atraso – uma falha na comunicação entre o ministro das Finanças e o primeiro-ministro no momento do debate quinzenal”, disse na entrevista, esta terça-feira, sublinhando, no entanto, que “não houve nenhuma falha financeira, nenhum incumprimento”.

“Se uma falha de comunicação é simples de corrigir, já uma falha financeira teria um caráter absolutamente desastroso para o sistema financeiro e bancário em Portugal”, acrescentou.

Centeno explicou: "O senhor primeiro-ministro, no momento em que responde ao Bloco de Esquerda, não tinha a informação de que a injeção de capital tinha acontecido. É essa a dimensão que o pedido de desculpa se deve. Houve um atraso, houve uma falha de comunicação, porque não chegou atempadamente a hora do debate".