Economia

Ryanair retoma 40% dos voos a partir de 1 de julho

A Ryanair vai retomar 40% dos voos regulares a partir de 1 de julho, sujeito ao levantamento das restrições de viagem impostas pela pandemia de covid-19 e à aplicação de medidas de saúde publica nos aeroportos.

Em comunicado, a companhia aérea de baixo custo recorda que desde o início das restrições de voos, em meados de março, tem vindo a operar uma programação diária de 30 voos entre a Irlanda, o Reino Unido e a Europa continental e que a partir de julho retomará os voos na maior parte das suas 80 bases em toda a Europa.

“A Ryanair trabalha para restabelecer algumas frequências no maior número possível de rotas, em vez de operar muitas frequências num pequeno número de rotas”, sublinha a empresa.

A preparar o regresso, a companhia lançou um vídeo que pretende incentivar os passageiros a adotarem medidas sanitárias para limitar a propagação da covid-19 que incluem viagens com menos bagagem de porão, check-in online, apresentação do cartão de embarque no telemóvel, controlo de temperatura à entrada do aeroporto e uso de máscaras faciais no terminal e a bordo dos aviões.

Na nota distribuída esta terça-feira, a Ryanair recorda ainda que todas as suas aeronaves estão equipadas com filtros de ar HEPA (semelhantes aos utilizados nos hospitais) e que todas as superfícies interiores dos aviões são desinfetadas todas as noites com produtos químicos eficazes durante mais de 24 horas.

Além dos controlos de temperatura e do uso de máscaras/coberturas faciais, o distanciamento social nos aeroportos e a bordo dos aviões será encorajado sempre que possível, acrescenta.

A bordo dos aviões, a tripulação de cabine utilizará máscaras/coberturas faciais e será disponibilizado um serviço limitado de refeições ligeiras pré-embaladas e bebidas, mas não serão aceites pagamentos em numerário a bordo. As filas de espera para as casas de banho a bordo serão proibidas e o acesso far-se-á mediante pedido prévio. A companhia incentiva ainda os passageiros a lavarem e utilizarem regularmente desinfetantes de mãos nos terminais dos aeroportos.

Como medida temporária de saúde pública e até que os estados da União Europeia levantem os respetivos bloqueios, a Ryanair vai exigir a todos os passageiros com viagens em julho e agosto preencham os dados (no check-in) sobre a duração da sua visita e morada de alojamento durante a visita a outro país da UE. “Estas informações de contacto serão fornecidas aos Governos da UE para ajudar a controlar eventuais medidas de isolamento impostas aos visitantes de voos intracomunitários”, explica a companhia.

Citado no comunicado, o diretor-executivo da Ryanair, Eddie Wilson, afirma: "É importante para os nossos clientes e para os nossos cidadãos que retomemos uma parte da programação a partir de 1 de julho".

O responsável diz que, após o bloqueio de quatro meses aplicado pelos governos de toda a Europa, “é tempo de voltar a voar na Europa” para que possamos “encontrar amigos e família, permitir que as pessoas regressem ao trabalho e relançar a indústria turística europeia, que ocupa tantos milhões de trabalhadores”.

“A Ryanair trabalhará em estreita colaboração com as autoridades de Saúde para garantir que estes voos respeitam, sempre que possível, medidas eficazes para limitar a propagação da covid-19. Como já foi demonstrado na Ásia, os controlos de temperatura e as máscaras são a medida mais eficaz nos percursos de curta distância (uma hora) dentro do mercado europeu”, acrescenta.

Eddie Wilson diz ainda que a Ryanair acredita que 1 de julho “é a data mais oportuna para retomar uma programação normal de voos, permitindo que amigos e famílias se reúnam, que os trabalhadores voltem ao trabalho e que as economias que tanto dependem do turismo, como Espanha, Portugal, Itália, Grécia, França e outros, recuperem o que resta da temporada turística”.