Economia

SITAVA exige que Estado garanta "os salários completos aos trabalhadores" da TAP a partir de junho

Recorde-se que a TAP colocou, no final de março, 90% dos seus colaboradores e reduziu o horário de trabalho em 20% para os restantes 10%.

O Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (SITAVA) defende o final do layoff na TAP já a partir do final de maio, considerando que chegou a altura “de as empresas demonstrarem e assumirem a sua responsabilidade social e, em conjunto com o Estado, se chegarem à frente garantindo os salários completos aos trabalhadores”.

Em comunicado, o SITAVA alerta para situações de “grande instabilidade no universo de trabalhadores do Grupo TAP, algumas delas até dramáticas e que carecem de rápida intervenção”, na sequência de uma “pesadíssima” perda de rendimentos, no contexto da pandemia de covid-19.

O SITAVA indica que “tem apelado às empresas e ao próprio Governo para que seja retomada a situação salarial normal ainda que a retoma de atividade aconteça de forma progressiva”. “Sustentamos esta posição, por um lado, numa perspetiva de salvação da economia nacional e, por outro, na inalienável obrigação que qualquer Estado decente tem de proteger os seus cidadãos”, lê-se na nota.

Recorde-se que a TAP colocou, no final de março, 90% dos seus colaboradores e reduziu o horário de trabalho em 20% para os restantes 10%.