Politica

Centeno impôs as condições

Ministro encarou declarações do Presidente como uma interferência e exigiu uma clarificação ao primeiro-ministro. Costa acabou por segurá-lo, ao assumir a razão e os argumentos do governante na polémica sobre o Novo Banco. Entretanto, Marcelo telefonou a Centeno.

A história de uma transferência de 850 milhões de euros para o Fundo de Resolução em nome de uma injeção de capital no Novo Banco (em tempos de pandemia) ganhou contornos de uma tempestade perfeita no Governo e acabou por envolver o Presidente da República. O protagonista foi o ministro de Estado e das Finanças, que ouviu Marcelo Rebelo de Sousa dizer que concordava com o entendimento de António Costa de que fazia sentido esperar pelo resultado de uma auditoria da Deloitte àquele banco antes de efetuar a transferência. Ou seja, ao contrário do que fora feito pelas Finanças, que ordenou a transferência no último dia contratualmente possível, mas antes daquela auditoria (que só deverá estar concluída daqui a semanas).

Centeno não gostou do que ouviu – principalmente porque António Costa estava ao lado do Presidente Marcelo quando este fez aquelas declarações (em visita à Autoeuropa) e ligou de imediato ao primeiro-ministro pedindo que o recebesse com urgência.

António Costa recebeu Centeno em S. Bento ao final do dia (13 de maio) e a reunião prolongou-se por três horas.

No fim da linha, o primeiro-ministro acabou por assumir um comunicado onde reafirmava a sua confiança pessoal e política em Mário Centeno, num texto que incorpora  boa parte dos argumentos (ou exigências) de Centeno na abordagem ao processo de empréstimo ao Fundo de Resolução.

Leia o artigo na íntegra na edição impressa do SOL. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.