Desporto

Cabo Verde. O país das Académicas

Um arquipélago com dez ilhas alberga dez equipas chamadas Académica. Uma ligação que se fortaleceu com o anticolonialismo.

No decorrer da conferência ‘A Universidade de Coimbra e Cabo Verde – História de uma Parceria de Sucesso’, que teve lugar em janeiro do ano passado, o presidente daquela antiga colónia portuguesa, Jorge Carlos Fonseca, aproveitou para assinalar a importância de Coimbra na história da libertação do seu país. Também estudante da Academia, revelou: «A passagem pela Universidade de Coimbra proporcionou-me os primeiros contactos com uma outra vida e novas realidades, bem como às diversas formas de arte, na companhia dos estudantes e quadros jovens portugueses e africanos com quem participava em núcleos ligados à luta pelo ideário anticolonial e independentista. Foi esta instituição a responsável por formar os primeiros quadros cabo-verdianos superiores que iriam ter o destino do Cabo Verde independente nas suas mãos».

Talvez estas palavras sirvam para entender um pouco da fortíssima ligação de Cabo Verde a Coimbra e, por consequência, à Académica, àquela velha Académica cuja equipa de futebol era composta por estudantes, futuros doutores que nem por isso deixavam de se bater de peito aberto com o Benfica, o Sporting ou o FC Porto.

Leia o artigo na íntegra na edição impressa do SOL. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.