Internacional

Pulverizar desinfetante nas ruas e mercados não elimina a covid-19 e é perigoso para a saúde pública, alerta OMS

"A pulverização ou fumigação de espaços exteriores, como ruas ou mercados, não é recomendada para destruir o novo coronavírus ou outros agentes patogénicos porque é inativada pela sujidade", explica a Organização Mundial da Saúde. 

A Organização Mundial da Saúde alertou, este sábado, para o perigo de pulverizar ou fumigar desinfetante nas ruas e sublinha que esta medida não elimina a covid-19 dos países. Alguns países estão a utilizar esta estratégia nas ruas e mercados.

"A pulverização ou fumigação de espaços exteriores, como ruas ou mercados, não é recomendada para destruir o novo coronavírus ou outros agentes patogénicos porque é inativada pela sujidade", explica a OMS. "Mesmo em caso de ausência de matérias orgânicas, é pouco provável que a pulverização química cubra corretamente todas as superfícies durante o tempo de contacto necessário para inativar os agentes patogénicos", afirmam. 

A OMS sublinha que as ruas e os passeios "não são considerados reservatórios de infeção do covid-19" e que a pulverização de quimícos "pode ser perigosa para a saúde humana".

No que toca aos espaços interiores, esta estratégia também não deve ser utilizada. "Se for preciso aplicar desinfetantes, convém fazê-lo com um pano ou um toalhete embebido de desinfetante", recomenda.

A OMS deixa ainda um apelo: "Em caso algum devem ser pulverizadas pessoas". Tal "não reduz a capacidade de um infetado propagar o vírus por gotículas ou contacto", continuam, explicando os vários risco para a saúde da pessoa que for pulverizada: irritações dos olhos e da pele, bronco-espasmos e problemas gastrointestinais.