Cultura

Museus reabrem, mas a festa é online

As visitas aos museus e monumentos são retomadas nesta segunda-feira, mas as instituições estão a apostar nos programas virtuais.
 

Os museus, palácios, galerias e monumentos preparam-se para abrir portas na próxima segunda-feira, Dia Internacional dos Museus. Mas o enfoque dos programas de comemoração - quer sejam correspondentes à data festiva quer à reabertura - vai continuar a ser feito pela via digital. Até porque as novas regras de distanciamento social determinam que, nesta fase, os espaços recebam menos visitantes - por cada 20 metros2, só vai poder entrar uma pessoa, e haverá preferência pela circulação em percursos previamente selecionados. 

Entre as novas normas de visita, contam-se ainda o uso obrigatório de máscara, a higienização obrigatória das mãos à entrada e a preferência pela venda de bilhetes previamente reservados. Os funcionários terão ainda que trabalhar com kits de proteção individual. Contudo, nem todos os espaços do país irão abrir já portas na segunda-feira, e outros assumem que a reabertura será apenas simbólica. De resto, o Governo já deixou claro que as decisões respeitantes ao desconfinamento serão revistas a cada duas semanas, e podem ser ajustadas a qualquer momento.

A Fundação Calouste Gulbenkian começou já este sábado a assinalar o regresso com um programa que foi transmitido online. Foi inaugurada a exposição participativa virtual, «composta por meia centena de obras escolhidas pelo público» nas redes sociais durante a pandemia, diz a instituição. 

Na segunda-feira, vai reabrir o edifício do Museu - Coleção do Fundador, mas a sede ficará, por agora, fechada. Pelas 11h, a diretora do Museu Gulbenkian, Penelope Curtis, vai dar as boas-vindas através de uma visita virtual às galerias, e as atividades de regresso espraiam-se pelas redes sociais da instituição ao longo do dia. A Gulbenkian definiu limites para o número de visitantes. «A lotação máxima nas galerias da exposição permanente do Museu é de 160 pessoas, mas em salas mais pequenas, como a Sala de Arte Egípcia ou a Sala René Lalique, só serão permitidos quatro visitantes em simultâneo. No caso da exposição temporária A Idade de Ouro do Mobiliário Francês, que foi prolongada até 28 de setembro, o número de visitantes não poderá exceder os 25», indica numa resposta ao SOL.

Já o Museu Nacional Ferroviário, no Entroncamento, completa também cinco anos no Dia Internacional dos Museus, pelo que o programa de segunda-feira será duplamente especial . E também acontecerá online, com o festival All Aboard ! O Museu faz a festa em sua casa!, cujo cartaz é composto por «diferentes artistas e testemunhos de pessoas e entidades». O’Gajo, Tó Trips (Dead Combo), Discantus Projecto, Cais Sodré Funk Connection e Companhia Custom Circus contam-se entre o leque dos artistas que vão atuar nas redes sociais do museu a partir das 12h00.

Já o Museu da Farmácia vai inaugurar a exposição virtual Um Mundo de Máscaras, em parceria com mais quatro museus portugueses: o Museu da Ciência da Universidade de Coimbra, o Museu da Marioneta, o Museu do Oriente e o Museu Nacional de Etnologia. A mostra vai poder ser visitada num site especificamente concebido para o efeito (www.ummundodemascaras.com), mas os museus envolvidos esperam que possa saltar dos ecrãs para um espaço físico até ao final deste ano.

Este ano, o Dia Internacional dos Museus celebra-se sob o tema ‘Museus para a Igualdade: Diversidade e Inclusão’.