Economia

Luz. Mais de 15 mil pediram recurso a pagamento faseado

Este pagamento vai ser faseado ao longo de seis a 12 meses, sem juros, representando um apoio no valor de 20 milhões, o que dá uma média de 400 pedidos por dia ao longo deste período.

Mais de 15 mil famílias, dois mil pequenos negócios e cerca de 300 empresas recorreram aos planos flexíveis de pagamento lançados pela EDP Comercial, no âmbito da pandemia de covid-19, disse a presidente executiva da empresa.

Este pagamento vai ser faseado ao longo de seis a 12 meses, sem juros, representando um apoio no valor de 20 milhões, o que dá uma média de 400 pedidos por dia ao longo deste período.

A EDP Comercial, que é o maior comercializador de eletricidade em mercado livre, prevê retomar o corte do fornecimento de energia por falta de pagamento a partir de 01 de julho, que esteve suspenso desde 06 de março, prevendo a partir da próxima semana começar a contactar os clientes com pagamentos em atraso.

Segundo Vera Pinto Pereira, "o prazo de aviso aos clientes será alargado, para 50 dias, que é mais do dobro do prazo dado num período normal". Nesse período de pré-aviso, os clientes terão a possibilidade de pagar ou pedir a flexibilização do pagamento das faturas em atraso, nas mesmas condições que vigoraram durante o estado de emergência (seis a 12 meses, sem juros).

"A partir da próxima semana, os clientes começam a ser contactados, mas o corte de fornecimento só se processará a partir de 01 de julho, para haver tempo para as famílias e as empresas planearem os seus pagamentos e assim evitar esse corte. No fundo é uma retoma gradual na normalidade que é necessária", declarou.

Um dia depois da EDP comercial ter comunicado a suspensão dos cortes no fornecimento de energia, a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) anunciou condições excecionais para evitar cortes no fornecimento de eletricidade, gás natural e de gases de petróleo liquefeito (GPL) canalizados, na sequência dos efeitos da pandemia de covid-19.

Antecipando possíveis dificuldades de pagamento por parte dos consumidores, a ERSE determinou que o prazo de pré-aviso de interrupção de fornecimento para os clientes domésticos fosse alargado por mais 30 dias, somando-os aos 20 já obrigatórios.