Sociedade

Medir a temperatura e desinfetar os alunos

Alunos do 11.º e 12.º anos regressam hoje às aulas presenciais. Governo divulgou medidas detalhadas.

As escolas do ensino secundário reabrem hoje para os alunos do 11.o e 12.o ano com regras pormenorizadas e horários de funcionamento ajustados para uma maior segurança entre alunos, professores e funcionários neste regresso às aulas presenciais. Cada agrupamento de escolas de norte a sul do país recebeu orientações gerais do Governo e existem normas de circulação específicas para os alunos que, tal como a Direção-Geral da Saúde já havia alertado, serão divididos por grupos.

Em algumas escolas, borrifar alunos com desinfetante vai ser uma opção, além da medição de temperatura corporal antes de entrarem. Na Escola Secundária de Fafe, por exemplo, a temperatura não vai ser medida apenas aos alunos, mas também a professores e funcionários, para garantir a segurança de todos aqueles que entram no estabelecimento. Já em Braga, na Escola Secundária Alberto Sampaio, as mãos dos alunos vão ser pulverizadas com uma solução à base de álcool. O objetivo é simples: evitar ao máximo o contacto físico e a propagação do novo coronavírus caso haja algum caso positivo nos estabelecimentos de ensino.

Nas aulas, sair das salas no intervalo é proibido em algumas escolas, bem como circular no interior das mesmas. E há algumas em que as aulas presenciais são dadas de 15 em 15 dias, bem como outras em que as aulas são concentradas em dois dias da semana para evitar que os alunos se desloquem muitas vezes à escola e saiam de casa para assistir à matéria lecionada pelos professores.

Nos estabelecimentos de ensino de Alvalade, Lisboa, por exemplo, o i sabe que nas turmas do 11.o ano existem três períodos ao longo do dia em que será feita a higienização da secretária do docente ou o arejamento das salas – a meio da manhã (11h30), à hora de almoço_(13h05) e a meio da tarde (15h15) – até à conclusão das atividades letivas, que decorrem entre as 10h00 e as 16h50. Mas as regras de higienização começam logo por ter de ser respeitadas à entrada da escola.

“Quem entra pela porta do lado direito dirige-se a uma das mesas que se encontram junto à biblioteca, de acordo com a disponibilidade destas, de modo a higienizar as mãos. Quem entra pela porta do lado esquerdo dirige-se a uma das mesas que se encontram junto aos expositores”, pode ler-se nas indicações enviadas aos alunos, nas quais é referido também que, após a higienização das mãos, “será entregue uma máscara a quem se apresentar sem uma ou que apresente uma já com sinais de desgaste”.

Além disso, a entrada nas escolas é feita através de um dos dois portões abertos, tendo em conta o fluxo de entradas. E para entrar no edifício será utilizada uma das duas portas abertas, no átrio principal. “A circulação dentro da escola (rampas, escadas, corredores) deve fazer-se sempre pela direita, utilizando apenas metade da largura disponível e mantendo a distância de referência de 1,5 a 2 metros”, foi divulgado.

O Ministério da Educação sublinhou ainda que as normas estabelecidas não devem perturbar as idas à casa de banho sempre que necessário. “Não devem aguardar pela mudança de aula, de modo a evitar concentrações neste espaço. Deverão fazer-se sempre que necessário e deve ainda utilizar-se a casa de banho mais próxima, bem como aguardar no exterior da mesma até que fique livre”, solicitou.

E, neste regresso às aulas presenciais, os bares e os buffets vão permanecer encerrados, tal como acontece com as salas de convívio e de apoio, pelo que é ainda aconselhado a todos os alunos que levem “um pequeno lanche e água”. Apenas as bibliotecas e as salas de informática poderão estar abertas se forem respeitadas as regras de distanciamento e de higiene.

Já a saída da escola é feita através da “porta do Edifício B”. Recorde-se que só nas disciplinas sujeitas a exames nacionais é que são dadas aulas presenciais aos alunos.