Internacional

Turquia anunciou recolher obrigatório durante ramadão

O Presidente da Turquia anunciou um recolher obrigatório de quatro dias durante a celebração muçulmana de Eid al-Fitr, que marca o fim do jejum do mês do Ramadão, para evitar a propagação da covid-19.

Após uma reunião do gabinete, o Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse esperar que não sejam necessárias mais recolheres obrigatórios após o que será decretado entre 23 e 26 de maio. Os anteriores recolheres obrigatórios, impostos em fins de semana e feriados, só foram aplicados em 31 províncias, mas este vai abranger todas as 81 províncias do país.

As mesquitas vão reabrir para as orações duas vezes por dia a partir do dia 29, desde que cumprindo as regras do distanciamento social.

A Turquia optou por recolheres obrigatórios pontuais e não por um confinamento geral, temendo os efeitos na economia.

A exceção são as pessoas mais de 65 anos e menos de 20, a quem foi decretado o isolamento total.

Tanto uns como outros já começaram a ser autorizados a sair em dias e horas específicas -- e enquanto os restantes grupos populacionais ficam em casa.

O ano letivo já terminou e retomará em setembro.

A proibição de viajar de e para 15 principais cidades turcas, incluindo Istambul, foi prolongada por mais 15 dias.

A libertação temporária de 60 mil detidos por delitos menos graves vai ser estendidas por mais dois meses.

O Ministério da Saúde turco anunciou 31 novos mortos nas últimas 24 horas, o número mais baixo desde o final de março. No país, o número de mortos ascende a 4.171 e o de infetados a 150.593.