Economia

Moratórias. Bancos já receberam mais de meio milhão de pedidos

Deste total, segundo os dados do banco central, “as instituições aplicaram as medidas de apoio previstas nas moratórias a 514.750 contratos, correspondendo os restantes 54.162 contratos a situações que, nessa data, estavam ainda em apreciação ou não preenchiam as condições definidas para acesso às moratórias”. 

Os bancos nacionais receberam, até ao final de abril, quase 570 mil pedidos de moratória, em que 90% destes pedidos já foram  aprovados. Os números foram revelados pelo Banco de Portugal ao lembrar que “tem vindo a recolher junto das instituições dados sobre as medidas de apoio aplicadas desde a entrada em vigor da moratória pública e da disponibilização das moratórias privadas”. 

Deste total, segundo os dados do banco central, “as instituições aplicaram as medidas de apoio previstas nas moratórias a 514.750 contratos, correspondendo os restantes 54.162 contratos a situações que, nessa data, estavam ainda em apreciação ou não preenchiam as condições definidas para acesso às moratórias”. 

Segundo as contas do BdP, cerca “de dois terços dos contratos que beneficiam de medidas de apoio estão integrados no regime da moratória pública (345.551 contratos), enquanto os restantes estão abrangidos por moratórias privadas (169.199)”. 

No âmbito da moratória pública, a entidade liderada por Carlos Costa esclareceu que quase metade dos contratos integrados (162.492) respeitam a crédito concedido a consumidores para aquisição de habitação própria permanente, enquanto os restantes envolvem crédito a empresas, a empresários em nome individual e a outros clientes. Já os contratos integrados na moratória da banca dizem sobretudo respeito a crédito ao consumo (90.549) e os restantes a crédito hipotecário (78.650).

Recorde-se que, no final de março, o Estado aprovou uma moratória legal de seis meses para crédito à habitação e empréstimos de empresas. A banca, através da Associação Portuguesa de Bancos, veio depois complementar esta medida, incluindo na sua solução crédito ao consumo e segundas habitações. 

Ainda esta semana, o governador do Banco de Portugal avisou que a decisão de estender as moratórias dos pagamentos dos créditos tem de ser tomada até junho, para que esses empréstimos bancários não sejam considerados como estando em incumprimento.