Economia

Consumo dos portugueses aproxima-se dos valores pré-pandemia

Lisboa e Vale do Tejo é a região do país que continua a registar o maior abrandamento no consumo desde que foi decretado o estado de emergência, com os valores mais baixos do país no que se refere às compras físicas.

Os portugueses começam a aproximar os seus níveis de consumo à média que se registava antes da pandemia, embora a um ritmo diferente em cada região do país, conclui o relatório da SIBS, relativo à semana de 25 a 31 de maio. Neste período, verificou-se um aumento de 9% nas compras na rede multibanco, o segundo maior incremento desde o inicio da pandemia.

Lisboa e Vale do Tejo é a região do país que continua a registar o maior abrandamento no consumo desde que foi decretado o estado de emergência, com os valores mais baixos do país no que se refere às compras físicas. Na semana de 25 a 31 de maio, as compras estavam a 73% da frequência média pré-covid-19, tendo chegado a representar apenas 42% na semana de 30 de março a 5 de abril, ou seja, menos de metade do total de compras físicas quando comparado com o período antes da pandemia.

No sentido inverso, no Alentejo o consumo em loja já ultrapassou a frequência de compras antes do aparecimento do primeiro caso em Portugal: o número médio de compras físicas nesta última semana situou-se 5 pontos percentuais acima do número médio de compras antes do aparecimento do vírus.

A utilização do MBWay continua a bater valores recordes. Na semana em análise, a média de compras em loja através desta plataforma de pagamentos ficou 90% acima da média anterior ao início da pandemia, praticamente duplicando a frequência de utilização – é a décima semana consecutiva de crescimento, aumentando 9% em comparação com a anterior. 

Resumidamente, na semana de 25 a 31 de maio, os hábitos de consumo dos portugueses acentuam a tendência de crescimento que se tem vindo a registar desde o início do processo de desconfinamento. A média de compras em loja está já a 82 pontos face ao período pré-pandemia, aproximando-se cada vez mais da frequência de compras antes anteriores à covid-19. Também as compras online registaram um crescimento acentuado de sete pontos face à semana anterior, de 89 para 96 pontos, praticamente ao nível do período antes da primeira infeção.

Analisando o valor gasto por cada compra na rede multibanco, a média manteve-se inalterada face à semana anterior: 37,8 euros. Já nas compras online, o valor médio cresceu 1,7% para os 40,9 euros, face aos 40,2 euros da semana anterior. Em ambos os casos, os valores médios por compra continuam acima da média do período antes da pandemia: no canal físico, o valor é 11,2% superior e no online é 9% maior.