Política a Sério

Muita coisa mudou na política

Enquanto Catarina Martins e Jerónimo de Sousa eram uma espécie de guarda-costas de António Costa, defendendo-o em alturas críticas, Passos Coelho e Assunção Cristas competiam entre si pela chefia da oposição.

Quase silenciosamente, muita coisa mudou na política portuguesa nos últimos quatro anos.

Qual era então o panorama?

A esquerda formava um bloco relativamente unido, chamado ‘geringonça’, constituído pelo PS, PCP e BE, liderado por António Costa; a direita formava outro bloco, mas muito menos unido, integrando os partidos da coligação vencedora em 2015 mas que não tinham conseguido formar Governo – o PSD e o CDS.

Enquanto Catarina Martins e Jerónimo de Sousa eram uma espécie de guarda-costas de António Costa, defendendo-o em alturas críticas, Passos Coelho e Assunção Cristas competiam entre si pela chefia da oposição.

A líder do CDS apresentava-se mesmo como candidata no futuro a primeira-ministra.

E Passos Coelho, embora liderasse o maior partido do Parlamento, não atinava com o tom certo para fazer oposição ao primeiro-ministro.

Tendo ocupado o cargo durante quatro anos, não se mostrava capaz de dar a volta e passar, de um momento para o outro, de chefe do Governo a chefe da oposição.

Tendo adotado no poder uma pose de Estado, não conseguia desfazer-se dela.

Ao mesmo tempo, a esquerda elegeu-o como alvo principal dos seus ataques, transformando-o no bode expiatório de tudo o que corria mal.

Leia o artigo na íntegra na edição impressa do SOL. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.