Internacional

"A criança está morta e isso é bom". Suspeito do desaparecimento de Maddie comentou caso com colega de trabalho

Lenta Johlitz, de 34 anos, trabalhou com o suspeito, de 43 anos, num quiosque em Braunschwwig, no norte da Alemanha. 


Christian Brueckner, o alemão suspeito do desaparecimento de Madeleine McCann, terá feito confissões sobre o caso a uma colega de trabalho,

Segundo o jornal britânico Mirror, Lenta Johlitz, de 34 anos, trabalhou com o suspeito, de 43 anos, num quiosque em Braunschwwig, no norte da Alemanha. A mulher diz que Christian Brueckner chegou a dizer que Madeleine estava morta.

“A criança está morta e isso é bom", terá dito o suspeito, de acordo com a antiga colega de trabalho. "Consegues fazer desaparecer um corpo rapidamente", terá acrescentado. 

A mulher relatou ainda que, em 2014, sete anos após a menina ser raptada o homem terá ficado agitado quando o caso surgiu numa conversa entre colegas de trabalho.

"Houve uma vez em que ele ficou completamente apavorado. Estávamos sentados no quiosque com uns amigos a conversar sobre o caso da Maddie. Queria que parássemos", recordou.

Recorde-se que Christian brueckner está detido na Alemanha, por abuso sexual de menores, entre outros crimes. O suspeito viveu no Algarve entre 1996 e 2007, ano em que a criança desapareceu na Praia da Luz.