Desporto

“Acho muito bem que lutem contra o racismo, mas estive dois meses em casa e não me apetece voltar”

Ricardo Sá questiona o momento da manifestação e defende que devia ter sido feito mais tarde, quando “quando Lisboa já não tivesse casos covid-19”.

O ator Ricardo Sá veio criticar a forma como decorreu a manifestação contra o racismo, realizada no sábado passado.

"Isto foi a sessão solene do 25 de Abril que vocês criticaram... Não. Isto foi nas comemorações do 1.° maio que vocês criticaram... não. Isto foi numa ida à praia que vocês criticaram... Ah! Não? Já sei... É o espectáculo do Bruno Nogueira que vocês criticaram... Ah! Não? Então... é a malta que vai à festa do Avante que vocês criticaram... Ah! Não?Então só pode ser uma manifestação contra o governo... contra a fome... contra o desemprego... contra a falta de apoios culturais, contra partidos e gentes fascistas, contra a falta de serviços de saúde, contra o que realmente está mal neste país? Também Não? Ah é uma manifestação contra o racismo", escreveu no Instagram, a acompanhar uma imagem dos protestos, onde era evidente que as orientações sobre o distanciamento social não estavam a ser cumpridas.

No entanto Ricardo Sá fez também questão de esclarecer que não estava contra o objetivo do protesto, mas sim contra o momento ou a forma como foi levado a cabo.

"Acho muito bem 'Todos diferentes, todos iguais', mas não podiam ter agendado isso para outra altura? Quando Lisboa já não tivesse casos Covid-19? É que ontem, na manifestação, estiveram muitos daqueles que criticaram os 'ajuntamentos' em cima mencionados. Acho muito bem que lutem contra o racismo, mas é que eu estive dois meses em casa e não me apetece voltar a ficar em casa", sublinhou.

O ator fez ainda questão de frisar: "Quem me conhece sabe que não sou racista. Não é a cor do ser humano que faz o carácter, o amor ou o ódio. Desde criança que lidei com as gentes africanas. Ao longo da vida conheci africanos e africanas que merecem o nosso respeito. A cor nunca se põe em causa. Até porque já estamos em 2020 (já nem se devia falar disso)". 

Pouco depois, Ricardo Sá voltou a acrescentar mais uma frase, para esclarecer o objetivo do post: "Não discrimino ninguém por género, orientação sexual, religião ou cor da pele. Gosto de todos por igual, somos todos iguais. Fiz este post só para o pessoal mais jovem continuar com juízo em relação à pandemia". 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

#daquepensar Isto foi a sessão solene do 25 de Abril, que vocês criticaram...Não. Isto foi nas comemorações do 1° Maio, que vocês criticaram...não. Isto foi numa ida à praia, que vocês criticaram... Ah! Não? Já sei... É o espectáculo do Bruno Nogueira, que vocês criticaram... Ah! Não? Então... é a malta que vai à festa do Avante, que vocês criticaram... Ah! Não? Então só pode ser... uma Manif contra o governo... contra a fome... contra o desemprego... contra a falta de apoios culturais, contra partidos e gentes fascistas, contra a falta de serviços de saúde, contra o que realmente está mal neste país? Também Não? Ah é uma Manif contra o racismo! Acho muito bem "Todos diferentes, todos iguais". Mas não podiam ter agendado isso, para outra altura? Quando Lisboa já não tivesse casos covid19? É que ontem, na Manif, estiveram muitos daqueles que criticaram os "Ajuntamentos" em cima mencionados. Acho muito bem que lutem contra o racismo, mas é que eu, estive 2 meses em casa e não me apetece voltar a ficar em casa. Não discrimino ninguém por género, orientação sexual, religião ou cor da pele. Gosto de todos por igual, somos todos iguais. Fiz este post só para o pessoal mais jovem continuar com juízo em relação à pandemia 👍🏻

A post shared by Ricardo de Sá (@ricardo_de_sa) on