Hoje Escrevo Eu

Para onde vai este país?

O que importa? Importa que o corpo de Maria Velho da Costa ficou 11 dias esquecido na morgue de Lisboa. Ou não importa? Tem de importar! Importaria sempre! Caramba, Maria Velho da Costa foi mulher, mãe e escritora. E, se não bastasse, foi uma das ‘Três Marias’.

Maria Velho da Costa faleceu no dia 23 de maio e o seu corpo foi cremado no domingo passado, 7 de junho.

Maria Velho da Costa esteve 11 dias esquecida na morgue de Lisboa.

A família responsabilizou o Estado e a direção do Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses esclareceu que «no passado dia 24 de maio, o corpo [de Maria Velho da Costa] deu entrada no Instituto, tendo a autópsia sido dispensada pelo Ministério Público, entidade com competência para o efeito» e acrescentou: «Desde então, o corpo ficou disponível para ser entregue à família; porém, para esse efeito, e até ao dia 3 de junho, nunca o Instituto recebeu qualquer contacto por parte daquela, diretamente ou por interposta pessoa».

Houve, com toda a certeza, algum enorme e lamentável equívoco.

O que importa?

Importa que o corpo de Maria Velho da Costa ficou 11 dias esquecido na morgue de Lisboa.

Ou não importa?

Tem de importar!

Importaria sempre! Caramba, Maria Velho da Costa foi mulher, mãe e escritora. E, se não bastasse, foi uma das ‘Três Marias’.

«Maria Velho da Costa marcou, a vários títulos, o seu tempo, o nosso tempo», escreveu Marcelo Rebelo de Sousa no site da Presidência no dia 24 de maio.

No mesmo dia, Graça Fonseca escreveu na página do Ministério da Cultura do site do Governo: «Recordá-la nos seus gestos de desafio e regressar constantemente aos seus livros, eis o que devemos a Maria Velho da Costa».

Pois sim.

Leia o artigo na íntegra na edição impressa do SOL. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.