Sociedade

Faculdades de Medicina recusam aumento de vagas. "Aumento de alunos ia degradar qualidade do ensino"

Conselho de Escolas Médicas Portuguesas contesta despacho que permite aumentar até 15% as vagas de acesso aos ciclos integrados de mestrado em Medicina

É um diferendo antigo: as faculdades de Medicina devem formar mais médicos? A posição das escolas tem sido de que estão no limite da capacidade e um despacho do Governo que admite o aumento das vagas até 15% no próximo concurso de acesso ao Ensino Superior reabre agora a polémica. Em comunicado, o Conselho de Escolas Médicas Portuguesas reiterou esta quarta-feira a posição, manifestando discórdia e "estupefação", lê-se na nota publicada no site da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa.

"No passado dia 29 de Maio enviámos uma carta aberta ao Senhor Ministro do Ensino Superior, pedindo que nos ouvisse sobre esta matéria, a fim de podermos esclarecer a tutela sobre as muitas especificidades que o ensino Médico tem, em geral, e, no nosso País, em particular. Infelizmente tal nunca aconteceu, tendo o Senhor Ministro implicitamente declinado o nosso convite", refere o conselho, manifestando "estranheza e profundo desagrado pelo facto do CEMP ter sido sistematicamente ignorado, nomeadamente no que respeita a alguns aspetos tão básicos, como seja, quanto à existência, ou não, de condições de acolhimento deste excedente de alunos pelas respetivas Escolas Médicas. Tal é particularmente difícil de entender, considerando o período de incerteza que ainda estamos a viver, face à pandemia de Covid-19, que veio criar desafios particularmente difíceis às Faculdades de Medicina, nomeadamente, nos seus ciclos clínicos."

Para o CEMP, "não existe qualquer evidência que consubstancie a necessidade de aumentar o número de entradas em Medicina em Portugal". A estrutura começa por argumentar que a atual oferta formativa é adequada às necessidades do país em médicos. "De facto, de acordo com dados da OCDE, dos 36 países estudados, Portugal, em dados de 2017 publicados em 2019, tinha o terceiro maior número de médicos – 5,0 por 1000 habitantes – quando a média global era de 3,5 médicos por 1000 habitantes. Portugal surge em oitavo lugar (em 36) quanto ao número de novos formandos em Medicina por ano: 16,1 por 100.000 habitantes, em 2017, sendo a média da OCDE de 13,1 novos médicos por 100.000 habitantes." Para os reitores, é no entanto a capacidade das escolas para acolher mais jovens o principal entrave. "O aumento do número de alunos, a verificar-se, iria naturalmente degradar a qualidade do ensino, sobretudo nas vertentes clínicas, dada a manifesta incapacidade de cumprir com rácios aceitáveis. A capacidade formativa das Faculdades de Medicina está esgotada há muito, para garantir um ensino de qualidade, quer pelas suas condições de espaços físicos, quer pela ausência de capacidade de contratação de recursos humanos que permitam um rácio aluno:tutor de acordo com as recomendações internacionais, havendo necessidade de um maior investimento público nas faculdades existentes (recursos humanos, equipamentos e instalações)."

Um terceiro ponto prende-se com a formação graduada, um dossiê em que o Governo interveio no ano passado, quando solicitou uma auditoria à capacidade formativa no SNS, em que a idoneidade das instituições para receber internos é reconhecida pela Ordem. "Importa perceber que o aumento do número de alunos não equivale a um aumento do número de médicos futuros, sobretudo especialistas. Na realidade, nos últimos anos tem-se verificado um número substancialmente inferior de vagas para formação complementar relativamente ao número de candidatos. Como exemplo, em 2019 um em cada quatro candidatos formados pelas escolas médicas portuguesas não obteve colocação na primeira candidatura e 63% dos candidatos formados por escolas médicas estrangeiras também não obtiveram colocação na sua primeira candidatura. Assim, apesar do aumento de vagas para especialização em 2019 (1.830), houve 538 candidatos sem hipótese de escolha. Não se entende, pois, qual o propósito de aumentar o número de novos alunos que irão apenas engrossar o número de médicos sem acesso a especialização, não contribuindo, em nada, para colmatar as eventuais assimetrias na distribuição de médicos pelo território nacional, antes pelo contrário, só as agravando", considera agora o Conselho de Escolas Médicas Portuguesas.

"Manifestamos publicamente e de forma transparente, a nossa suspeita que, escudadas por uma lógica demagógica e irrealista, algumas estruturas privadas, sistematicamente reprovadas na suas intenções de abrir Escolas de Medicina em Portugal, queiram aproveitar este momento para fazer valer os seus argumentos demagógicos e conseguir aquilo que em tempos normais não conseguiram, por manifesta falta de condições e, acima de tudo, pela total ausência de necessidade de mais Escolas Médicas em Portugal, quer privadas ou públicas, que apenas contribuirão para engrossar o número de médicos sem saída", lê-se ainda no comunicado.  

No ano passado os sete cursos de Medicina do país abriram 1441 vagas, o mesmo número dos anos anteriores, embora o número de candidatos seja todos os anos muito superior. Em 2017 a Universidade Católica Portuguesa anunciou a intenção de abrir um curso de Medicina, mas o projeto acabou por ser chumbado pela Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES). Já este ano a universidade apresentou uma nova proposta.