Internacional

Número de óbitos diários no Reino Unido volta a subir

O primeiro-ministro Boris Johnson anunciou, esta terça-feira, que os bares, restaurantes e cabeleireiros vão poder reabrir a partir de 4 de julho no Reino Unidos, sem a regra obrigatória da distância social de dois metros.

O número de vítimas mortais no Reino Unido voltou a subir nas últimas 24 horas. Depois de ter sido registado o menor número de óbitos diários desde março esta segunda-feira, esta terça-feira o número aumentou significativamente. Esta terça-feira foram confirmados mais 171 óbitos, o que elevou o número total de vítimas mortais no país para 42.927. 

Foram ainda registados mais 874 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, segundo as autoridades de saúde inglesas. Este número, ao contrário do número de óbitos diários, regista uma descida ligeira - na segunda-feira tinham sido confirmados 958 casos do novo coronavírus no país. Desde o ínicio da pandemia foram confirmados 306.210 casos de infeção. 

O primeiro-ministro Boris Johnson anunciou, esta terça-feira, que os bares, restaurantes e cabeleireiros vão poder reabrir a partir de 4 de julho no Reino Unido, sem a regra obrigatória da distância social de dois metros. "Tendo em conta a queda significativa na prevalência do vírus, vamos poder mudar a regra de distanciamento social de dois metros a partir de 04 de julho. Eu sei que esta regra torna a vida impossível para grande parte da nossa economia”, admitiu o governante.

Onde não for possível manter esta distância social, as pessoas devem manter uma distância de pelo menos um metro e tomar outras medidas para reduzir o risco de transmissão do coronavírus. 

Johnson disse que serão publicadas ainda esta terça-feira orientações às empresas sobre que medidas estes espaços precisam de adotar para poderem reabrir, como reduzir a capacidade em espaços fechados, usar painéis protetores, máscaras e gel desinfetante. 

"Como já vimos em outros países, vão existir surtos para os quais serão necessárias medidas locais e não hesitaremos em aplicar os travões e reintroduzir restrições mesmo em nível nacional se for necessário”, alertou o primeiro-ministro.