Desporto

Declarações de Bruno Lage geram polémica. Sindicato dos Jornalistas pede provas e CNID repudia "acusação inaceitável"

Em causa estão as declarações do técnico depois da partida entre o Benfica e o Santa Clara.

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) e a Associação dos Jornalistas de Desporto (CNID) reagiram esta quarta-feira à declarações do treinador do Benfica, Bruno Lage, depois da partida frente ao Santa Clara.

Em causa estão as palavras do treinador, após voltar a ser questionado sobre a possibilidade de ter o lugar em risco.

"Vocês estão muito preocupados com o meu lugar, desde o jogo contra o FC Porto. Após os dois primeiros jogos, houve sempre uma preocupação com o meu lugar. Até me perguntaram qual era o meu ordenado", disse em conferência de imprensa, depois da derrota em casa frente ao Santa Clara. "Às vezes não sei quem andam a tentar promover para entrar no meu lugar. Às vezes questiono quem vos paga almoços, jantares ou viagens. O lugar não é meu, é do Benfica", acrescentou.

Agora, o Sindicato dos Jornalistas diz considerar “graves” as palavras do técnico e pede-lhe que apresente provas sobre as acusações feitas. Também o CNID diz “repudiar” as declarações de Lage e pede que o treinador se retrate.

Eis os comunicados na íntegra:

“O Sindicato dos Jornalistas (SJ) considera graves as declarações proferidas pelo treinador do Sport Lisboa e Benfica, a 23 de junho, no final do jogo com o Santa Clara. Em conferência de imprensa, Bruno Lage acusou os jornalistas de alegados jogos de influência a troco de refeições e viagens.

Perante a gravidade das acusações feitas, o SJ solicita ao treinador que apresente as provas que sustentam as suas suspeitas, que são graves e põem em xeque toda uma classe profissional.

Na ausência dessas provas, o SJ exige a Bruno Lage que se retrate publicamente e ao Benfica que se demarque das declarações do treinador.

As considerações de Bruno Lage, com a visibilidade que o futebol lhe confere, não podem ficar sem um cabal esclarecimento, a bem da verdade jornalística e desportiva.

O SJ aproveita para reiterar o apelo às Direções dos órgãos de informação, e respetivos profissionais, para que reajam ativamente a este tipo de atitudes, que atentam contra os jornalistas coletivamente, e tomem posição pública contra as mesmas".

 

“O treinador Bruno Lage teve ontem declarações inaceitáveis, de qualquer ponto de vista, no final do jogo Benfica-Santa Clara. Não foi uma opinião, foi uma acusação que tem que ser repudiada.

Foi uma acusação inaceitável e completamente desajustada, até pelo homem correto e sensato que Bruno Lage tem sido, respeitador e educado. O que disse ontem sobre os Jornalistas é inesperado e causou uma enorme indignação na classe, que o CNID não pode deixar passar em claro. Os Jornalistas que lhe fizeram as perguntas são os mesmos que, na época passada, acompanharam os seus grandes resultados e as suas excelentes conferências de Imprensa. Sem reparos, então.

São declarações debaixo de pressão, mas que têm que ser reprovadas da forma mais veemente. Não só porque, se houvesse algum fundo de verdade, teria que ser dito quem e quando beneficiou de viagens e almoços para promover alguém, mas também porque então se poderia ficar com dúvidas se foi por outras razões que na época passada Bruno Lage ganhou tantos prémios. 

Ser Jornalista é muitas vezes ser incómodo, é da natureza da profissão. Lamenta-se que Bruno Lage tenha caído, como tantos antes dele, de resto, na desculpa fácil e errada, até no interesse do treinador. Porque tem uma carreira pela frente, tem muito valor e ele próprio quer continuar a ter muitos jornalistas nas suas conferências de Imprensa. E se a tradição em Portugal é termos alguma compreensão por estas falhas, nem sempre será assim. Por isso, espera-se que Bruno Lage rapidamente se retrate. Mas depois de termos dado 20 horas para um singelo pedido de desculpas, só podemos dizer que é pena que não o tenha feito e com a expressão de uma enorme desilusão da parte dos Jornalistas”.