Sociedade

Carreiras ameaça parar transportes públicos de Sintra e Oeiras

“Recuso-me a ficar de braços cruzados e a assistir à multiplicação descontrolada de potenciais cadeias de transmissão nos nossos transportes”, adianta o autarca num artigo de opinião publicado no jornal i.

Se a Área Metropolitana de Lisboa não recolocar carreiras a 100%, Cascais obrigará os passageiros que por lá passem a trocarem para autocarros da autarquia e só segue viagem quem se sujeitar ao teste da temperatura. O aviso é do próprio presidente da Câmara Municipal de Cascais.

“Recuso-me a ficar de braços cruzados e a assistir à multiplicação descontrolada de potenciais cadeias de transmissão nos nossos transportes”, escreve Carlos Carreiras num artigo de opinião no jornal i.

Para Carlos Carreiras, a resposta ao aumento de casos na Grande Lisboa “será tão mais eficaz quanto mais supraconcelhia for”, mas defende que “mais vale uma resposta local do que nenhuma resposta regional”.

E, nesse sentido, deixa o aviso: “se a AML não recolocar o nível de serviço e oferta nos 100% – coisa que em Cascais fizemos logo no dia 1 do desconfinamento, acrescentando carreiras de desdobramento –, tomarei medidas drásticas”.

“Caso a AML não apresente uma solução efetiva até ao final desta semana, na próxima segunda-feira, todas as rotas intermunicipais serão paradas à entrada de Cascais. Os passageiros farão testes de temperatura e farão, depois disso, transbordo para rotas municipais”, acrescenta.

Leia o artigo de opinião na íntegra