Sociedade

Fenprof acusa Ministério da Educação de "impor aquilo que tem de negociar"

A Fenprof acusa ainda o ministro da Educação de ter ignorado "os compromissos dos seus secretários de Estado", já que, as organizações e os governantes sindicais não se reuniram, depois de 25 de junho, antes da divulgação das normas - algo que tinha ficado acordado na última reunião, segundo o comunicado.


A Federação Nacional Dos Professores (Fenprof) acusou, esta segunda-feira, o Ministério da Educação de querer "impor aquilo que tem de negociar" com a força sindical, a respeito do próximo ano letivo.

Em comunicado, a Fenprof defende que as normas divulgadas para o regresso às aulas "confirmam que a perspetiva economicista falou mais alto", tendo em conta que o regresso presencial para todos os alunos promovem, na opinião da federação, "um regresso com falhas de sgeurança".

A Fenprof acusa ainda o ministro da Educação de ter ignorado "os compromissos dos seus secretários de Estado", já que, as organizações e os governantes sindicais não se reuniram, depois de 25 de junho, antes da divulgação das normas - algo que tinha ficado acordado na última reunião, segundo o comunicado.

A reunião em questão tinha como objetivo, segundo a Fenprof, a dicussão de algumas propostas concretas apresentadas pela federação e outras organizações. "Há aspetos que são de negociação obrigatória", recorda a força sindical, acrescentando que "uma vez mais, o ministro mostrou desrespeito pelos professores e pelas suas organizações sindicais". "Infelizmente, já não surpreende", rematou.