Politica

Fecho da cervejeira Galiza. PCP acusa Governo de ser “conivente”

O Tribunal de Comércio de Vila Nova de Gaia declarou a 4 de junho a insolvência empresa, na sequência do requerimento apresentado pela Sociedade Real Sabor, de Vila Nova de Gaia, no qual reclama 11.951 euros.

O PCP criticou a postura “inaceitável” do Governo, acusando-o de ser “conivente com os objetivos dos atuais proprietários da Cervejaria Galiza”, no Porto, encerrada desde terça-feira depois de ter falhado um acordo com o administrador de insolvência.

De acordo com o PCP, durante os oito meses em que assumiram a gestão, os trabalhadores mantiveram o estabelecimento aberto, pagaram dívidas a fornecedores, regularizaram salários em atraso e mantiveram os salários em dia, “provando que a empresa é viável”.

Para os comunistas, “o processo demonstra uma inaceitável postura do Governo que, ao longo de todo este período, nunca esteve disponível para reunir com os representantes dos trabalhadores, sendo objetivamente conivente com este desfecho e eventuais objetivos que possam orientar a ação dos atuais proprietários e eventuais interessados neste desfecho”.

O Tribunal de Comércio de Vila Nova de Gaia declarou a 4 de junho a insolvência empresa, na sequência do requerimento apresentado pela Sociedade Real Sabor, de Vila Nova de Gaia, no qual reclama 11.951 euros, havendo 30 dias para a reclamação de créditos.