Economia

Preço das casas dispara mais de 10% no primeiro trimestre

Dados do Instituto Nacional de Estatística revelam que há 19 concelhos onde o metro quadrado já custa mais de 1500 euros. Gaia, Amadora e Braga têm maior subida do preço das casas.

Os preços das casas voltaram a disparar nos primeiros três meses deste ano, uma altura que ainda não reflete os efeitos da pandemia de covid-19. Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), o preço mediano das casas vendidas em Portugal fixou-se nos 1117 euros por metro quadrado, um valor que representa uma subida de 10,5% face a igual período do ano passado. Este é um novo ritmo recorde.

Os dados do INE mostram ainda que há 19 municípios onde o metro quadrado já custa mais de 1500 euros mas o movimento de subida de preços aconteceu nas várias regiões do país com destaque para as cidades com mais de 100 mil habitantes.

No primeiro trimestre de 2020, 46 municípios localizados maioritariamente no Algarve (1 668 euros por metro quadrado) e na Área Metropolitana de Lisboa (1 515 euros por metro quadrado) – as duas sub-regiões com preços mais elevados do país – apresentaram um preço mediano da habitação superior ao valor nacional (1 117 euros por metro quadrado).

Lisboa (3 333 euros por metro quadrado) registou o preço mediano mais elevado do país e, com valores superiores a 1 500 euros por metro quadrado. Mas destacaram-se ainda Cascais (2 681 euros por metro quadrado), Oeiras (2 257 euros por metro quadrado), Loulé (2 221 euros por metro quadrado), Lagos (1 967 euros por metro quadrado), Albufeira (1 939 euros por metro quadrado), Porto (1 873 euros por metro quadrado), Tavira (1 864 euros por metro quadrado), Odivelas (1 847 euros por metro quadrado), Loures (1 672 euros por metro quadrado), Faro (1 663 euros por metro quadrado), Funchal (1 621 euros por metro quadrado), Vila Real de Santo António (1 594 euros por metro quadrado), Aljezur (1 592 euros por metro quadrado), Lagoa (1 591 euros por metro quadrado), Almada (1 576 euros por metro quadrado), Amadora (1 563 euros por metro quadrado), Silves (1 528 euros por metro quadrado) e Matosinhos (1 520 euros por metro quadrado).

Os valores do gabinete de estatística mostram ainda que Vila Nova de Gaia destacou-se por registar o maior crescimento face ao período homólogo (+20,1%). Mas não foi a única cidade. Destaque ainda para as variações expressivas na Amadora (+19,9%) e Braga (+16,6%).

O INE revela também que entre as sete cidades com mais de 100 mil habitantes, apenas o Funchal (+5,0%), Vila Nova de Gaia e Amadora (ambas com +4,3%) superaram a taxa de variação dos preços da habitação face ao trimestre anterior registada no nível nacional (+3,3%).

Em Lisboa o ritmo de crescimento dos preços face ao trimestre anterior tem sido consecutivamente inferior ao nacional desde o 2º trimestre de 2019, em Coimbra desde o 3º trimestre de 2019 e no Porto desde o 4º trimestre de 2019.