Internacional

"Alguém não cumpriu com o que disse que ia fazer", diz Nadia Calviño acerca de votação para Eurogrupo

A governante espanhola, que contava com o apoio público da Alemanha e da França, afirmou que era um grande objetivo seu e um "projeto emocionante", mas acrescentou que "estas coisas acontecem".

Nadia Calviño, que perdeu o lugar de presidente do Eurogrupo na votação de ontem, afirmou, esta sexta-feira, que houve quem não votasse como prometeu". "Tínhamos garantidos 10 votos, porém alguém não cumpriu com o que disse que ia fazer", disse, em entrevista à Cadena SER.

A ministra da Economia espanhola era a favorita para suceder a Mário Centeno na liderença do órgão, mas acabou por ser superada pelo irlandês Paschal Donohoe, que ganhou com uma maioria simples, ou seja, obteve os votos de pelo menos 10 dos 19 países europeus.

A governante, que contava com o apoio público da Alemanha e da França, afirmou que era um grande objetivo seu e um "projeto emocionante", mas acrescentou que "estas coisas acontecem".

Lembrando que é "impossível saber" quem mudou a votação, garantiu que não valia a pena especular. "Vamos virar a página", afirmou, lembrando que esta teria sido a primeira vez de muitas coisas, como, por exemplo, a primeira vez que uma mulher assumia a presidência do Eurogrupo ou a primeira vez que um presidente da mesma área geográfica se repetiu.

Paschal Donohoe, ministro de centro-direita de 45 anos, dirigirá pela primeira vez os trabalhos do grupo na reunião agendada para 11 de setembro próximo.