Economia

EDP anuncia encerramento antecipado de centrais. Sines fecha já no próximo ano

Elétrica estima que antecipação tenha um custo extraordinário de 100 milhões de euros.

A EDP anunciou, esta terça-feira que vai antecipar o processo de encerramento das centrais a carvão na Península Ibérica. Em comunicado, a elétrica anuncia que a central de Sines será encerrada já no próximo ano. O local estava pronto para fazer cessar a produção em setembro de 2023.

"No caso da central de Sines (1.180 MW), que não produz energia desde janeiro 2020, é hoje entregue uma declaração de renúncia à licença de produção, para encerramento em janeiro de 2021", lê-se. De acordo com a mesma nota, a empresa estima "um custo extraordinário de cerca de 100 milhões de euros (antes de impostos) em 2020".

Já quanto à central Soto de Ribera 3, em Espanha, "será solicitado o encerramento com prazo previsto em 2021, estando a EDP a desenvolver estudos prévios para a implementação de um projecto inovador de armazenamento de energia", anuncia a empresa. Relativamente à central de Aboño "prossegue o processo de licenciamento de conversão de carvão para gases siderúrgicos, através da modificação do Grupo 1 (342 MW), prevista para 2022, mantendo-se o Grupo 2 (562 MW) como apoio a indisponibilidades, contribuindo assim para uma economia mais circular".

Recorde-se que, no ano passado, António Costa anunciou que o Executivo estava preparado para encerrar a central termoelétrica dp Pego no final do próximo ano.