Sociedade

Liga dos Bombeiros alega mau funcionamento de equipamento de proteção de bombeiros feridos e quer inquérito

Organização alega que o equipamento de proteção dos operacionais não cumpriu a sua missão.


A Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) pediu, esta terça-feira, ao Ministério da Administração Interna para abrir um inquérito às circunstâncias em que dois bombeiros ficaram feridos, um deles em estado grave, no incêndio em Castro Verde, Beja, esta segunda-feira.

“Lamentavelmente, mais dois Bombeiros sofreram queimaduras no incêndio rural que ocorreu em Castro Verde, no dia 13 de julho, um deles em mais de 70% do corpo, quando de forma denodada e com alto profissionalismo, combatiam contra um inimigo brutal e traiçoeiro”, sublinha a LBP, em comunicado.

"Presumivelmente o equipamento de proteção individual (EPI) não terá cumprido a missão de proteção aos bombeiros, pelo que a LBP já solicitou ao Ministro da Administração Interna que seja aberto um rigoroso inquérito a este acidente e que o EPI seja enviado para o CITEVE (laboratório da especialidade), para a devida análise técnica", acrescenta aquela organização, presidida por Jaime Marta Soares.

A abertura do inquérito destina-se a "apurar rigorosamente a qualidade do equipamento".

Recorde-se que estes dois bombeiros ficaram feridos, pouco tempo depois da morte de um operacional num fogo na serra da Lousã, que deflagrou no sábado, que feriu também outros três elementos.