À Esquerda e à Direita

Cristina Ferreira no país da comédia lusitana

Calculo que o ministro quando se prepara para comer um bife do lombo deve pensar que há muitas pessoas que não têm dinheiro para o comprar e pede que lhe levem antes uma sandes de courato.

1. Este país é mesmo uma comédia. Temos um ministro  que dá uma resposta genial quando lhe perguntam se haverá despedimentos na TAP. «Os despedimentos não são inevitáveis. O que é inevitável é reduzir os custos com pessoal. Mas há várias formas de o garantir. Precisamos de uma empresa com menos aviões, menos trabalhadores e menos rotas, isso é a verdade», disse Pedro Nuno Santos à revista Visão.

Será que o ministro das Infraestruturas acha que somos todos parvos? Se os despedimentos não são inevitáveis então como conseguirá o milagre de ter menos trabalhadores?

Pedro Nuno Santos, já o disse, tem graça porque não se esconde e diz o que lhe vai na alma, mas tem atitudes, algumas, pouco consistentes. Não falando outra vez dos banqueiros alemães que ficaram com as pernas a tremer por causa das suas ameaças, o ministro, na mesma entrevista, voltou a falar da célebre história do seu Porsche.

Quando questionado se um socialista não pode ter um Porsche, o ministro deu outra explicação sui generis: «Não faço quaisquer juízos de valor e só falo por mim. Há coisas que são racionais e outras têm mais a ver com a sensibilidade. Nasci num meio privilegiado, tive sempre um modo de vida confortável mas, a determinada altura, senti-me mal porque tinha uma coisa fútil, na medida em que a maioria das pessoas não podia ter. E eu não me sentia bem. E para me sentir melhor desfiz-me do carro». Calculo que o ministro quando se prepara para comer um bife do lombo deve pensar que há muitas pessoas que não têm dinheiro para o comprar e pede que lhe levem antes uma sandes de courato.

Leia o artigo na íntegra na edição impressa do SOL. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.