Política a Sério

Money, money, money…

O próprio Presidente da República começou por embandeirar em arco no site de Belém – mas depois caiu em si, vindo apelar para a necessidade de aplicar bem o dinheiro.

Esta foi a semana dos milhões. Milhões para Cristina Ferreira, milhões para Jorge Jesus, milhões para Portugal.

Quando pensávamos que a comunicação social estava falida, carente de dinheiro, eis que saíram da cartola uns milhões para contratar Cristina Ferreira e mais uns quantos para a TVI.

Quando pensávamos que o futebol estava falido, exaurido pela paragem durante quatro longos meses, lá surgiram umas dezenas de milhões para contratar Jorge Jesus para o Benfica.

Quando pensávamos que Portugal estava à beira da débacle financeira, lá vieram da Europa uns largos milhares de milhões para relançar a economia.

E lá apareceram os do costume a bater palmas de contentamento por esta ‘vitória nacional’.

O próprio Presidente da República começou por embandeirar em arco no site de Belém – mas depois caiu em si, vindo apelar para a necessidade de aplicar bem o dinheiro.

Também apareceu o ministro Siza Vieira, muito circunspecto, falando dos erros do Governo de Passos Coelho, e garantindo que o seu governo seguirá outra política.

Aqui, preocupei-me: se esse Governo tirou o país do buraco em que estava, com outra política as coisas correrão melhor ou pior?

É um risco…

Lá apareceu António Costa Silva, muito inchado, a falar do seu programa para os próximos 10 anos.

Aqui, pensei: mas onde é que eu já vi este filme?

Quantos estudos já se fizeram depois do 25 de Abril para o futuro da economia portuguesa?

O que é feito do relatório Porter?

Ou do pormenorizado estudo de Ernâni Lopes (pago pelo SOL e publicado sem nenhuma subvenção governamental)?

Para que serviram?

Não estaremos a voltar sempre ao princípio?

Leia o artigo na íntegra na edição impressa do SOL. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.