Sociedade

Medicamento Remdesivir já foi usado em 133 doentes com covid-19

Foram abordados vários temas, esta quinta-feira, como a vacina contra a covid-19, as viagens e a reabertura dos centros de dia.

A Direção-Geral da Saúde e o Ministério da Saúde realizaram, esta quarta-feira, a  habitual conferência de imprensa na qual falam sobre os dados diários da covid-19. Esta tarde, abordaram vários assuntos como o tratamento por Remdesivir em Portugal, para quando é esperada uma vacina contra a covid-19 disponível no mercado e ainda sobre se é esperado que a Liga dos Campeões e a Taça de Portugal tenham público.

O presidente do Conselho Diretivo da Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde (INFARMED), Rui Santos Ivo, afirmou que o Remdesivir tem sido utilizado pelo Serviço Nacional de Saúde e já foi utilizado no tratamento de 133 doentes infetados com o novo coronavírus. 

Sobre a vacina, Rui Santos Ivo assegura que existem "um conjunto alargado de vacinas que estão em desenvolvimento e que passaram da fase dois para a fase três" e que estas poderão ser apresentadas na Agência Europeia de Medicamento". Portugal está a "trabalhar com os restantes 26 países da UE para que possa haver um procedimento conjunto para disponibilizar a vacina a todos os cidadãos da União Europeia", afirmou o presidente da INFARMED. Há "cerca de 10 empresas com as quais está a ser feito um trabalho ativo para podermos dispor de negociações concluídas e avançar para a fase seguinte”, acrescentou. 

Foi ainda abordada a decisão do Governo Regional da Madeira sobre a utilização obrigatória de máscaras em espaços abertos a partir de agosto. A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, disse que para qualquer viagem nos dias de hoje é necessária uma preparação. "As pessoas sabem que devem observar as medidas recomendadas na região. Devemos informar-nos para perceber os requisitos. O conselho que damos é que as pessoas se informem dos requisitos de destino. Devia ser sempre assim, mais agora com a covid-19", disse.

Sobre a questão do público em competições desportivas, como na Liga dos Campeõs e na final da Taça de Portugal, Graça Freitas afirma que não haverá mudanças e que a plateia dos eventos desportivos irá continuar vazia. "Atividades desportivas voltaram sob regras muito específicas, em segurança e sem público. As regras resultaram bem. Houve casos positivos, mas obedeceu-se ao protocolo, testaram-se as pessoas e tudo decorreu de forma exemplar. O mesmo se vai aplicar à final da Taça de Portugal e à Liga dos Campeões. Não vai haver público", garantiu.

Sobre os centros de dia Graça Freitas afirma que irão ser publicadas orientações para a reabertura dos mesmos. "É uma matéria que tem estado a ser trabalhada pela Segurança Social e DGS. Em breve será publicado um documento para a reabertura com regras". Já sobre os lares, a diretora-geral da Saúde salientou que estes são os espaços mais "observados e acompanhados. Um dos pilares no combate à pandemia é tratar todos conforme as necessidades, mas dar muita atenção às pessoas de terceira idade e aos lares", afirma. 

Graça Freitas salientou mais uma vez que a utilização da máscara não elimina a importância do distanciamento social. "Utilizar a máscara não implica que devemos esquecer o distanciamento social. Mas é um método barreira, tal como a lavagem das mãos e não levar as mãos à cara. Outra das medidas, no interior, é o arejamento. A nossa recomendação é para a utilização de máscaras num ambiente fechado em que não haja a possibilidade de manter distanciamento social. Estamos abertos à ciência e ao que dizem os peritos nacionais e internacionais", disse a diretora-geral da Saúde. 
 
Questionada sobre o surto de Moura e de Tomar, a diretora-geral da Saúde afirma que na região do Alentejo existem 28 casos positivos e que este surto se encontra "controlado". Já o surto em Tomar "envolve muitas pessoas" e já foram feitos "mais de 300 testes", segundo Graça Freitas.  "De ontem para hoje apresenta mais 18 casos, num total de 71. Os contactos destes casos têm sido identificados e isolados pelas autoridades de saúde", acrescentou.