Politica

PS Madeira defende que uso obrigatório de máscara transmite insegurança

A oposição considera que a medida é prejudicial ao turismo.

O líder do PS Madeira considerou, esta segunda-feira, que a prorrogação do estado de calamidade o uso obrigatório de máscaras nos espaços públicos, interiores e exteriores, transmitem uma imagem de insegurança. O líder socialista apelou que o Governo regional recue na medida, que está prevista até ao final de agosto.

"A questão da prorrogação do estado de calamidade e o uso obrigatório e a generalizado das máscaras tem causado efeitos extremamente negativos no turismo", acrescentou o também deputado na Assembleia Legislativa da Madeira Paulo Cafôfo.

O líder da oposição afirmou ainda, durante a conferência de imprensa do grupo parlamentar realizada no Funchal, que a decisão do Executivo madeirense, liderado pelo social-democrata Miguel Albuquerque, já originou "muitos cancelamentos de reservas de pessoas [que] tinham escolhido a Madeira como destino das suas férias".

"Aqui a atuação do Governo Regional tem-se revelado desastrosa e tem havido muita incompetência na gestão deste processo", afirmou, considerando que a medida "além de ser avulsa, é extemporânea e desproporcional".