Cultura

Férias. Quantos livros vai conseguir ler?

Vai de férias e ainda não sabe o que levar na bagagem? Da ficção ao ensaio, da história à ciência, fizemos uma seleção de perto de meia centena de títulos recentes para que não lhe falte leitura durante estes dias quentes.

Ficção Internacional

Kaputt

Curzio Malaparte (Cavalo de Ferro)

Homem de vários ofícios, entusiasta do regime fascista, Curzio Malaparte transfigurou a sua experiência como repórter durante a II Guerra Mundial neste romance, que já foi descrito como «um grotesco carnaval de morte» e que em tudo se assemelha à realidade dos anos do conflito.

1794

Niklas Natt och Dag (Suma)

Na sombria Estocolmo de finais do século XVIII, um jovem nobre encontra-se a recuperar num hospital. Acusam-no de ter assassinado a própria noiva na noite de núpcias. Segundo romance da trilogia iniciada com o estrondoso sucesso internacional 1793.

E ainda...

Nada a Temer

Julian Barnes (Quetzal)

Os Guardiões

John Grisham (Bertrand)

O Ultimo Verão de Klingsor

Hermann Hesse (D. Quixote)

 

Ficção Nacional

Livro de Vozes e Sombras

João de Melo (Leya)

Uma atraente jornalista de Lisboa desloca-se ao arquipélago para entrevistar um veterano da Frente de Libertação dos Açores, movimento independentista nascido no pós-25 de abril. Um romance envolvente, com a separação e o vazio no horizonte.

Fui Soldado e Morri

Paulo Sande (Gradiva)

O candidato da Aliança ao Parlamento Europeu estreia-se no romance com uma história passada entre a metrópole e o Ultramar. O ocaso da presença portuguesa em África, marcado por atrocidades de parte a parte, culmina no regresso de um cadáver num avião de carga, depois de um interrogatório com direito a tortura. Mas há uma surpresa reservada para o final.

 

E ainda...

A Segunda vida de Fernando Pessoa

João Céu e ilva (Guerra &_Paz)

Os vivos e os outros

José Eduardo Agualusa (Quetzal)

A educação dos gafanhotos

David Machado (D.Quixote)

D. Manuel – Duas irmãs para um rei

Isabel Stillwell (Planeta)

 

Espionagem (não ficção)

Um Espião Entre Amigos

Ben Macintyre

‘Cavalheiro da velha guarda’, espião de elite, Graham Greene inspirou-se nele para o protagonista de O Terceiro Homem. Kim Philby nasceu na Índia, estudou em Cambridge, chefiou uma delegação dos Serviços Secretos nos EUA e recebeu a mais alta condecoração do seu Governo. Desmascarado como agente duplo ao serviços dos soviéticos, acabou os seus dias exilado em Moscovo, para onde a mulher o acompanhou contrariada. «Quando os seus exemplares do The Times chegavam a Moscovo, regra geral semanas depois de serem publicados, ele passava-os com todo o cuidado a ferro e depois lia as notícias de jogos de críquete há muito terminados», descreve Ben Macintyre. «Comia doce de laranja de Oxford com torradas, bebia chá inglês importado e ouvia o BBC World Service todas as noites, às sete horas. Quando os filhos iam visitá-lo do Ocidente levavam-lhe Marmite, molho Worcestershire e especiarias para as refeições indianas que ele gostava de cozinhar. Usava um casaco de tweed com padrão de pata de galo e uma gravata de lã. Bebia uísque Johnnie Walker Red Label, muitas vezes até cair para o lado». Um dia a mulher perguntou-lhe o que era mais importante para ele: «eu e as crianças ou o Partido comunista?». «O Partido, é claro», respondeu ele. Uma das histórias mais fascinantes e desconcertantes da Guerra Fria, e Macintyre conta-a como ninguém.

 

Autores portugueses intemporais

O Caso Mental Portugues

Fernando Pessoa (Assírio &_Alvim)

«Digo que essa palavra ‘provincianismo’ […] define a mentalidade do povo português em todas as três camadas que a compõem». Nesta edição de Fernando Cabral Martins e Richard Zenith, o ensaio de 1932 que lhe dá o título é complementado por artigos (como o de 1928 que lhe deu origem, intitulado ‘O Provincianismo português’, e a Crónica da Vida que Passa II e III), por uma reveladora entrevista sobre arte e literatura publicada na Revista Portuguesa em 1923 e por páginas de trechos e fragmentos, um dos quais sobre Salazar, datado de 1932.

O Crime do Padre Amaro

Eça de Queiroz (Livros do Brasil)

A série das Obras de Eça de Queiroz abre com O Crime do Padre Amaro, onde o grande escritor usou todo o seu engenho para criar uma história que encantou uns e chocou outros.

 

E ainda...

Eternidade

Ferreira de Castro (Cavalo de Ferro)

A Relíquia

Eça de Queiroz (Livros do Brasil)

Na farmácia do evaristo

Fernando Pessoa (Guerra&Paz)

Sermão de Santo António aos Peixes

Padre António Vieira (Guerra&Paz)

Uma Abelha na Chuva

Carlos de Oliveira (Livros do Brasil)

 

História e Biografia

O terceiro Reich no poder

Richard J. Evans (Edições 70)

Neste segundo de três volumes que constituem uma das grandes obras de referência sobre o nazismo, a Noite das Facas Longas dá o mote para o consulado de terror de Hitler, aqui retratado em toda sua complexidade e perversidade. O capítulo dedicado à esfera da cultura no Terceiro Reich, por exemplo, é absolutamente arrebatador.

As Cruzadas

Dan Jones (Presença)

Uns partiam por convicção ou fanatismo. Outros punham os olhos no lucro. Outros ainda iam para expiar os seus pecados. Todos queriam resgatar ao Islão a Terra Santa. Dan Jones mostra-nos as forças em jogo, e os diferentes pontos de vista dos envolvidos neste sangrento choque de civilizações que foram as Cruzadas.

O Sexo da Música

Étienne Liebig (Temas e Debates)

Das harpistas do Antigo Egipto aos cabarets de Paris, das cortes medievais a Woodstock, uma viagem surpreendente e enriquecedora pelas ligações entre a música e o desejo.

 

E ainda...

Porto – A entrada para o Mundo

Neill Lochery (Casa das Letras)

A Vida extraordinária do português que conquistou a patagónia

Mónica Bello (Temas e Debates)

D. Maria I

Mary del Priore (Casa das Letras)

Os bragança

Malyn Newitt (Texto)

Os filhos dos nazis

Tania Crasnianski (Guerra & Paz)

 

Ensaio

O Ouriço e a raposa

Isaiah Berlin (Guerra & Paz)

A partir de um fragmento de Arquíloco – «A raposa sabe muitas coisas, mas o ouriço sabe uma coisa muito importante» –, Berlin divide os escritores em raposas e ouriços: uns «perseguem muitas pontas», outros «associam tudo a uma visão única central». A partir dessa distinção, lança uma luz esclarecedora sobre a visão da História de Tolstói, estabelecendo um paralelo com as ideias de Joseph de Maistre, pensador francês do final do século XVIII.

 

Ciencia

Tudo o que Não Vemos

Ziya Tong (Lua de Papel)

Sabia que o salmão criado em cativeiro leva um ‘acabamento de cor’ para que a sua carne fique rosada e não cinzenta? Que a gasolina no depósito do seu carro pode ter moléculas de dinossauro? Que existe um local no oceano Pacífico, chamado Ponto Nemo, que funciona como cemitério de naves espaciais? Um mergulho na face oculta da realidade, com tudo o que de estimulante e de aterrador isso implica.

O cérebro noturno

Guy Leschziner (Vogais)

O neurologista e professor no King’s College mostra-nos o que se passa enquanto dormimos... ou devíamos estar a dormir. Os ritmos, as perturbações e os mistérios do sono, ilustrados por casos singulares.

O Livro dos Humanos

Adam Rutherford (Desassossego)

Um livro que segue a máxima ‘Conhece-te a ti mesmo’. Pelo caminho, vamos também descobrindo alguns dos prodígios da natureza e do mundo animal.

Contágio – Uma história dos vírus que estão a mudar o mundo

David Quammen (Objectiva)

Um olhar panorâmico sobre as diferentes epidemias que têm flagelado a Humanidade, explicando-nos magistralmente o que são, donde vêm e para onde vão.

Einstein em 30 segundos

Brian Clegg (Jacarandá)

O pai da teoria da relatividade trocado por miúdos – 50 aspetos da sua vida e do seu trabalho explicados em ‘suaves prestações’ que podem ser lidas em trinta segundos cada.

 

E ainda...

Prazer em Conhecer-me

Bill Sullivan (Vogais)

Coronavírus – Um vírus assassino

Igor Prokopenko (Marcador)

O princípio e o fim de tudo – do big bang ao fim do universo

Paul Parsons (Vogais)

As leis do contágio

Adam Kucharski (Ideias de Ler)

 

 

Autobiografia, diário, memórias, Viagens

A Propósito de Nada. autobiografia

Woody Allen (edições 70)

Uma das sensações deste verão. A autobiografia do agora controverso realizador tem qualquer coisa de sessão no divã, usando doses generosas de humor judaico mas também de mágoa. Aos 84 anos, Woody Allen aproveita para esclarecer alguns equívocos: «é impressionante a quantidade de vezes que me descrevem como um intelectual. Esta é uma noção tão falsa quanto a do monstro do Loch Ness».

Os Pássaros cantam em Grego – Diário 3

Rita Ferro

Os amigos, os cães, a vida sem aquecimento numa casa fria do Ribatejo, as zangas com os maridos – sobre tudo fala Rita Ferro com uma franqueza espantosa. O_desassombro de alguns  desabafos também é desarmante: «... como a banalidade pode alegrar uma escritora!».

Viagens sem bola

Rui Miguel Tovar, Quetzal

Trinta viagens narradas por um virtuoso da escrita, em tom descontraído e em ritmo acelerado. Sem bola, mas sempre com o desporto-rei e os seus ídolos em pano de fundo.

 

E ainda...

Entre eles – Recordando os meus pais

Richard Ford (Porto Editora)

O Ano do macaco

Patti Smith (Quetzal)

Em defesa de uma sociedade aberta

George Soros (Vogais)

Na patagónia

Bruce Chatwin (Quetzal)