Internacional

Juan Carlos foge dos paparazzi

Imprensa espanhola garante que o Rei emérito está nos Emirados Árabes Unidos, onde os paparazzi  têm a vida dificultada por leis restritivas. Portugal (no Estoril) é um dos destinos possíveis para a futura residência de Juan Carlos. A PSP tem plano de segurança preparado.
 

Por Carlos Diogo Santos e Pedro Almeida

Para onde terá ido Juan Carlos I? Esta é a pergunta que se tem feito desde o início de agosto, altura em que o Rei emérito de Espanha partiu em exílio. Cascais, Azeitão e República Dominicana foram os primeiros destinos apontados pela imprensa, mas esta sexta-feira surgiu outra zona do mapa: Emirados Árabes Unidos, onde os paparazzi têm a vida dificultada por leis restritivas.

De acordo com o jornal espanhol ABC,  Juan Carlos terá chegado na segunda-feira à capital Abu Dhabi. E o voo, que terá demorado sete horas e 13 minutos rumo ao aeroporto Al Bateen - onde só aterram aeronaves privadas -, partiu de Paris, em França, na sexta-feira, mas foi em Vigo, Espanha, que passou a noite de domingo. Na segunda-feira, chegou então a Abu Dhabi, acompanhado por cinco pessoas: quatro escoltas e ainda outro homem que será da sua máxima confiança. Depois, ter-se-á dirigido até ao Emirates Palace, um dos hotéis mais luxuosos - propriedade do governo - e no qual terá ficado hospedado. 

Segundo a mesma publicação, o Rei emérito terá mesmo uma excelente relação com o presidente dos Emirados, Khalifa bin Zayed. Aliás, até é a Abu Dhabi que Juan Carlos se desloca para assistir a corridas de Fórmula 1. Já o avião que transportou Juan Carlos, um Bombardier Global 6500, com uma autonomia de cerca de 12 mil quilómetros, terá sido alugado à empresa TAG Aviation, de Malta. 

Mas Abu Dhabi é apenas um de alguns destinos que têm sido avançados pela imprensa sobre o exílio do Rei emérito. Já houve quem dissesse que estivera na Galiza (Espanha), em Santo Domingo (República Dominicana) ou até mesmo na linha de Cascais, em Portugal. E muitos acreditam que uma primeira viagem a Abu Dhabi não quer dizer nada em relação ao local escolhido para o exílio. 

Ao SOL, o presidente da Câmara Municipal de Cascais, Carlos Carreiras, garante não ter quaisquer pormenores sobre a possibilidade de o município ser o destino final desta viagem, tendo já admitido, porém, que, caso haja interesse da parte de Juan Carlos em exilar-se no concelho, será recebido com todo o agrado. «Juan Carlos é um cidadão de Cascais, que aqui viveu durante largos anos, que cá mantém muitos amigos e que de alguma forma é acarinhado ainda hoje em dia. Se for essa a opção dele e da Casa Real Espanhola, por Cascais, obviamente que o receberemos com toda a amizade», havia dito ao SOL.

PSP seguirá todos os protocolos definidos

Sendo Portugal um dos destinos possíveis - recorde-se que aos oito anos, a família real espanhola chegou mesmo a vir para Portugal passar férias, tendo-se estabelecido na Villa Giralda, no Estoril, antiga casa dos Condes de Barcelona - o país poderá ter de responder a questões de segurança pessoal do Rei emérito e relativas à ameaça nacional. 

Confrontada com a possibilidade de o pai de Felipe VI regressar a Portugal, a PSP revelou ao SOL que seguirá todos os protocolos definidos para estes casos, ainda que tenha querido manter toda a discrição.

Leia o artigo na íntegra na edição impressa do SOL. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.