Politica

Governo determina reforço de stocks de medicamentos e equipamentos médicos

Entre os produtos, está, por exemplo, o medicamento Remdesivir.

O Governo determinou o reforço dos 'stocks' de medicamentos, de diversos equipamentos médicos, equipamentos de proteção individual, de reagentes e de outro material de laboratório, devido “à imprevisibilidade” da pandemia da covid-19.

De acordo com um despacho publicado esta quarta-feira em Diário da República e assinado pela ministra da Saúde, Marta Temido, “as unidades hospitalares do SNS e restantes unidades de saúde do SNS e do Ministério da Saúde, devem ser reforçados os stocks de medicamentos, de dispositivos médicos, de equipamentos de proteção individual, de reagentes e de outro material de laboratório (..) em, no mínimo, 20 %, relativamente ao consumo registado no segundo semestre de 2019 quanto aos medicamentos, e relativamente ao consumo registado no primeiro semestre do ano em curso quanto aos demais produtos”.

Este esforço "tem de ser mantido, num quadro de imprevisibilidade da evolução da pandemia e do respetivo impacto" nos mercados dos diferentes produtos médicos.

O documento foi elaborado a partir das orientações da Direção-Geral da Saúde (DGS), do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) e do Infarmed - Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, e as quantidades a reforçar de cada produto serão determinadas por estas instituições.

O “armazenamento e a distribuição da reserva estratégica são da responsabilidade do Laboratório Militar de Produtos Químicos e Farmacêuticos, com a colaboração do Infarmed e das empresas fornecedoras, assegurando o INSA, no caso dos reagentes, em colaboração com as empresas fornecedoras e outras instituições, o armazenamento adequado”, refere o despacho.

Entre os produtos, está, por exemplo, o medicamento Remdesivir, autorizado pela Comissão Europeia para o uso no tratamento de doentes infetados pelo novo coronavírus.