Internacional

DiCaprio critica atuação de Bolsonaro na Amazónia e é convidado a ver "como as coisas funcionam"

"Quem quer dar palpite tem de pôr a mão no bolso, palpite de graça a gente nem responde", afirmou ainda o ministro do Meio Ambiente.

O vice-Presidente brasileiro, Hamilton Mourão, convidou, esta quarta-feira, Leonardo DiCaprio a visitar a Amazónia.  

“Gostaria de convidar o nosso mais recente crítico, o ator Leonardo DiCaprio, para ir comigo aqui a São Gabriel da Cachoeira e nós fazermos uma marcha de oito horas pela selva (...). Ele vai aprender, em cada socavão (buraco) que ele tiver de passar, que a Amazónia não é uma planície e aí entenderá melhor como funcionam as coisas nesta imensa região", disse o responsável, citado pela imprensa internacional.

Mourão, que é também líder do Conselho da Amazónia Legal, uma entidade que coordena ações para a preservação da Amazónia, fez o ‘convite’ depois de o ator ter criticado a atuação de Bolsonaro no combate aos incêndios na Amazónia.

"O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, está sob pressão internacional para conter os incêndios, mas ele duvidou publicamente da gravidade dos mesmos no passado, alegando que opositores e comunidades indígenas foram os responsáveis", escreveu o ator no Instagram.

Também o ministro do Meio Ambiente respondeu às críticas deixadas pelo ator e ativista, afirmando que este "deveria cuidar das coisas do país dele".

"Eu acho que Leonardo DiCaprio deveria cuidar das coisas do país dele, da turma dele, inclusive do pessoal do meio artístico, que tem muitos recursos, mas investe muito pouco na proteção ao meio ambiente. (...) Quem quer dar palpite tem de pôr a mão no bolso, palpite de graça a gente nem responde", afirmou Ricardo Salles, em entrevista à rádio Jovem Pan.