Desporto

Jogos Olímpicos (II). A traição do barão

Depois da I Edição dos Jogos Olímpicos da Era Moderna,em 1896, em Atenas, os gregos ficaram convencidos de que
o evento ficaria para sempre na sua posse. Charles Pierre de Coubertin tinha outras ideias. Em 1900, levou os Jogos para Paris: depois para St. Louis (1904) e Londres (1908). O caos era completo!

Paris, 1900. Apesar de ter deixado tanto o Comité Olímpico Grego como o Rei Jorge convencidos de que a_Grécia iria sediar todas as edições seguintes dos Jogos Olímpicos da Era Moderna, depois do encerramento das provas de 1896, Charles Pierre de Frédy tinha outra decisão encasquinada na sua cabeça teimosa como poucas. Marimbando-se para as promessas feitas, o barão de Coubertin assegurou que Paris, sua terra natal, seria a cidade escolhida para os Jogos de 1900, com a justificação de que, inseridos na Feira Universal, teriam uma popularidade ainda maior do que a de quatro anos antes.

Enganou-se redondamente. É verdade que o número de atletas presentes aumentou de forma considerável - de 285 para 997 - mas as provas foram tão confusas que, para além das 19 consideradas olímpicas, outras se desenrolaram durante o período que mediou ente 14 de Maio e 28 de Outubro sem que os participantes tivessem a certeza de que estavam, de facto, na luta por um título olímpico ou apenas a exibir-se. Rapidamente, a Feira engoliu os Jogos._E o interesse económico impôs-se de tal forma ao apregoado espírito olímpico que nem sequer houve lugar às tradicionais cerimónias de abertura e encerramento.

Para desapontamento total de Charles Pierre, surgiram, como se brotassem do nada, torneios de automobilismo, de pelota basca, de viagens em balão de ar quente e de natação debaixo de água, dando aos acontecimentos um ar circense que chocava profundamente os ideólogos do olimpismo._Foram longos meses de absoluta deceção, fazendo com que os Jogos de Atenas deixassem saudades. Mas a verdade é que os organizadores não aprenderam com o erro e, quatro anos depois, os Jogos voltaram a realizar-se no âmbito de uma feira, dessa vez a Louisiana Purchase Exposition, em St. Louis.

Leia o artigo na íntegra na edição impressa do SOL. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.