Sociedade

A 'perfeita sintonia' que tramou António Joaquim

Tribunal da Relação de Lisboa condenou António Joaquim, que mantinha uma relação com Rosa Grilo, a 25 anos de prisão.

O telemóvel de Rosa Grilo foi desligado no dia 15 de julho de 2018 às 19h42. António Joaquim desligou o seu três minutos antes, às 19h39. Os telemóveis só voltariam a ser ligados no dia seguinte, entre as 11h27 e as 13h06. Esse mesmo dia corresponde ao período em que o triatleta, Luís Grilo, foi morto. A troca de mensagens entre António Joaquim e Rosa Grilo era frequente, contrastando com a diminuição de contactos entre os dois durante três dias – antes, durante e depois da morte de Luís Grilo. Estes factos, sustentou o Ministério Público no documento a que o SOL teve acesso, evidenciam «uma perfeita sintonia» entre Rosa Grilo e António Joaquim.

A sintonia continuou quando os dois, já depois da morte do triatleta, viajaram para Benavila, no concelho de Avis, e mantiveram os telefones desligados durante cerca de 20 horas, «período de tempo necessário para embalarem o cadáver e transportá-lo até Benavila e regressarem às respetivas residências», lê-se no documento. Os dois trocavam mensagens regularmente, mas as conversas mantidas entre os dias 22 de junho e 28 de julho foram eliminadas. Ainda que apagadas, referiu o Ministério Público, foi possível recuperar uma delas: «Não te esqueças de apagar a conversa».

Esta é uma parte da história que o Ministério Público utilizou para recorrer da decisão tomada em março deste ano pelo Tribunal de Loures, que absolveu António Joaquim do crime de coautoria do homicídio. Esta terça-feira, o Tribunal da Relação de Lisboa condenou António Joaquim a 25 anos de prisão preventiva – 24 por homicídio qualificado e um ano e 10 meses pelo crime de profanação de cadáver. Além disso, foi suspenso do exercício de oficial de justiça.

Quase seis meses depois da decisão do Tribunal de Loures, o Tribunal da Relação de Lisboa considerou ser possível «afirmar com a necessária segurança que quem disparou foi o arguido António Joaquim», já que «sendo o arguido o dono da arma e quem sabia manejá-la com destreza, contrariamente à Rosa Grilo que é totalmente inexperiente nessa matéria (...) não faz qualquer sentido que tenha sido esta a efetuar tal disparo». Para o coletivo de juízes, «Rosa Grilo e António Joaquim agiram concertadamente e em conjugação de esforços na concretização do mesmo objetivo comum, que era tirarem a vida ao Luís Grilo e desfazerem-se do respetivo corpo, dando depois a entender às autoridades, falsamente, que desconheciam o seu paradeiro».

O Tribunal da Relação de Lisboa não aceitou a tese inicial de que Rosa Grilo terá transportado o corpo do marido sozinha, tendo «beneficiado da ajuda de outra pessoa para concretizar tal tarefa, a qual, mais uma vez, só pode ter sido o arguido António Joaquim».

António Joaquim não foi, no entanto, levado para um estabelecimento prisional, uma vez que ainda pode recorrer da decisão. Já relativamente à condenação de Rosa Grilo, que está presa no Estabelecimento Prisional de Tires e recorreu da decisão do Tribunal de Loures, esta mantêm-se. O Tribunal da Relação de Lisboa considerou «improcedente o recurso interlocutório».

Depois da morte de Luís Grilo, a viúva apresentou várias versões dos factos, o que bastou para irritar a juíza durante as sessões de julgamento. O engenheiro informático e triatleta desapareceu depois de ter saído de casa para um treino e só foi encontrado no final de agosto, sem roupa, com um saco na cabeça e com sinais de ter sido baleado. O corpo, que evidenciava sinais de decomposição, foi descoberto a 140 quilómetros de sua casa.

Durante o mês em que o paradeiro de Luís Grilo foi desconhecido, a mulher deu entrevistas a vários órgãos de comunicação social, afirmando a esperança de que o desportista fosse encontrado e negando sempre o seu envolvimento no caso. Enquanto isso, também participou em festas, fez viagens, foi de férias e a festivais de música – factos mencionados pelo coletivo de juízes em março.

Depois de o corpo ter sido encontrado, a investigação ganhou um novo rumo. E Rosa Grilo também. A Polícia Judiciária encontrou uma bala no quarto do casal, o que levantou suspeitas de que teriam sido Rosa Grilo e António Joaquim a matar o triatleta – até por causa da indemnização do seguro de vida no valor de 500 mil euros que Luís Grilo tinha feito e, segundo as autoridades, por motivos sentimentais, já que Rosa e António Joaquim mantinham uma relação cada vez mais próxima. Os dois foram presos em setembro de 2018, mas António Joaquim viria a ser libertado do Estabelecimento Prisional de Tires em dezembro de 2019.